Uma Literatura Nos Trópicos

Uma Literatura Nos Trópicos

Coleção O legado de Orïsha #1

Autor: SILVIANO SANTIAGO

Preço: R$ 32,50

220 pp. | 14x21 cm

ISBN: 85-325-1068-X

Assuntos: Teoria E Crítica Literária

Selo: Editora Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 23,00

E-ISBN: 978-85-81221-88-5

Publicado originalmente em 1978, esta coletânea confirma Silviano Santiago como um dos maiores críticos de sua geração e, por mais impressionante que possa parecer, os temas deste livro continuam atuais.

 

A maior parte dos onze ensaios aborda o tema — ou "obsessão", como prefere o autor — da dependência cultural. Desatando esse antigo nó a partir de novas e diferentes pontas, ele explora toda a complexidade da relação entre o criador dos países periféricos e a cultura das antigas metrópoles. Para o ensaísta, "o escritor latino-americano vive entre a assimilação do modelo original e a necessidade de produzir um novo texto que afronte o primeiro e muitas vezes o negue".

Assim o problema se recoloca ao longo dos ensaios em diferentes situações. Seja entre os autores latino-americanos e a literatura européia, seja no modo como o português Eça de Queiroz, autor de O primo Basílio, desarticula seu "modelo Madame Bovary", de Flaubert, ou ainda na forma como a geração do tropicalismo repensa suas relações com a cultura americana.

Distanciando-se da convenção que pretende manter a figura do crítico preso exclusivamente às linhas de poemas, romances e ensaios literários, o autor se empenha na leitura de modas, idéias e atitudes. A noção do "texto" a ser decifrado pelo crítico é ampla o bastante para que nela caibam o significado oculto tanto de uma canção como do ato de vestir uma determinada roupa. "O intérprete é, em suma, o intermediário entre texto e leitor, fazendo ainda deste o seu próprio leitor", argumenta. Em seus ensaios, Silviano revisita temas "clássicos" como os romances Dom Casmurro, de Machado de Assis; O ateneu, de Raul Pompéia; e A bagaceira, de José Américo de Almeida, mas também reflete sobre, por exemplo, a relação de Caetano Veloso com a mídia.

Escritos entre o fim dos anos 60 e o início da década de 70, estes ensaios lançam luz sobre um período fascinante da cultura brasileira. Problematizam questões de uma época marcada pela arte de Hélio Oiticica e Lygia Clark, o teatro de José Celso Martinez Correa, a música de Caetano e Gil, a poesia de mimeógrafo, a imprensa da contracultura (Bondinho, Rolling Stone) e as primeiras obras de Sérgio Sant’Anna, tema de um dos ensaios do volume. Estes textos compõem a contribuição de um crítico que preferiu não esperar a poeira assentar para dar seu testemunho, tendo a coragem de arriscar novas reflexões no calor da hora.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Silviano Santiago é um dos mais prolíficos intelectuais brasileiros. Poucos autores conseguiram conjugar tão bem, e de forma tão definitiva, obras ficcionais e críticas. Escritor, poeta, professor, crítico literário e ensaísta, foi três vezes vencedor do Jabuti – com Em liberdade (romance, 1982), Uma história de família (romance, 1993) e Keith Jarrett no Blue Note (contos, 1997). Seu romance Heranças recebeu o Prêmio ABL de Ficção 2009 e ficou entre os finalistas do Jabuti e do Portugal Telecom. Suas obras foram traduzidas para o inglês, francês e espanhol.

Página do autor +