Terra Nua

Terra Nua

Coleção O legado de Orïsha #1

Autor: JOHN BERGER

Preço: R$ 26,50

220 pp. | 14x21 cm

ISBN: 85-325-1219-4

Assuntos: Ficção – Conto

Selo: Editora Rocco

O escritor e crítico de arte John Berger aborda neste livro o cotidiano de uma comunidade rural nos Alpes do Sul da França, através de contos e poemas sobre uma classe em extinção: os camponeses. Crítico do consumismo e do conceito capitalista de progresso, ele escreveu a obra em solidariedade aos que vivem em aldeias ou foram obrigados a emigrar para as metrópoles. "Foram homens e mulheres assim que me ensinaram o pouco que sei", diz. Terra nua faz parte de uma trilogia Into Their Labours, junto com Once in Europe e Lilac and Flag, sobre a vida no campo.

Na introdução, o autor reflete sobre as características universais dos camponeses, cuja grande esperança em relação ao futuro é a sobrevivência. Ao contrário dos moradores das cidades, eles têm uma visão cíclica do tempo. Em torno do trabalho incessante e da passagem de estações, criam seus ritos e hábitos, de modo a arrancar algum sentido desse ciclo. Mesmo agarrados ao presente, orientam a maioria dos seus atos para o futuro. O exemplo óbvio é plantar uma árvore, mas isso também se aplica, por exemplo, a ordenhar uma vaca: o leite é para fazer queijo ou manteiga.

Depois desta breve abordagem sociológica, o leitor é presenteado com histórias que mostram a familiaridade dos camponeses com o nascimento, a vida e a morte. A linguagem direta guarda o vigor das narrativas orais em que o autor buscou inspiração. Rodeados de montanhas nevadas, florestas e vales, os protagonistas vivem um dia-a-dia bem distinto das fantasias bucólicas que esse cenário desperta nos seres urbanos.

A primeira história descreve com crueza de detalhes o abate de uma vaca por pai, mãe e filho. Sucedem-se contos que mostram o carinho do autor por seus personagens. É o caso de Lembranças de uma bezerra, em que Hubert, ao vender o animal para o frigorífico, recorda com afeição e tristeza que fez o seu parto: "O muco é uma proteção, uma espécie de amor. A bezerra ficou ali deitada, exausta, como uma folha recém-brotada. Seu pêlo estava coberto de muco. Ela tinha o suave cheiro que precedeu – para todos nós – o primeiro cheiro de ar."

Outro ponto alto é a história de amor de uma moça por um rapaz da vila que vai tentar a sorte em outro país. Contada em três partes ao longo de 50 anos, ela é pontuada por ricas imagens visuais e elementos dramáticos: perseguição de fugitivos da resistência por oficiais nazistas, conflitos familiares, a vida de ermitã em comunhão com a natureza – e, para completar, passagens de realismo fantástico que evocam as obras de García Márquez, Juan Rulfo e Isabel Allende. Terra nua é um livro escrito com apuro técnico e paixão.

Comente  
Instagram

O AUTOR

John Berger nasceu em Londres, em 1926, e faleceu em janeiro de 2017, aos 90 anos, em Paris. Aos 15 anos era anarquista. Depois da Segunda Guerra Mundial, quando já era escritor, passou a ser duramente criticado por sua simpatia ao marxismo. Ele é famoso por suas obras de ficção – romances e contos – e não-ficção, em especial livros de crítica de arte. Destaque para Modos de ver, de 1972, referência para toda uma geração de historiadores da arte, ao refletir sobre a relação entre o que vemos e o que sabemos ou acreditamos. São também do autor: Terra nua, Uma vez in Europa e Fotocópias, todos publicados pela Rocco. Atualmente, vive nos Alpes franceses, praticamente recluso.

Página do autor +