Os Ciganos Ainda Estão na Estrada

Os Ciganos Ainda Estão na Estrada

Coleção Guias Cinematográficos Harry Potter

Autor: CRISTINA DA COSTA PEREIRA

Preço: R$ 25,00

176 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2424-9

Assuntos: Ciências Sociais E Humanas

Selo: Editora Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 17,50

E-ISBN: 978-85-81221-09-0

Hostilizados durante milênios e até hoje temidos por outras etnias, os ciganos se espalharam pelo mundo sem registros próprios sobre sua história e cultura. Não há nenhum censo oficial, mas alguns cálculos apontam 17 milhões em todo o mundo, 1,5 milhão na América Latina, cerca de 500 mil espalhados pelo território brasileiro. Procurando esclarecer alguns dos mitos criados em torno desses nômades, que ainda cultivam a tradição oral e procuram manter a unidade familiar, casando-se entre si, mesmo quando optam por viver sem grandes deslocamentos, a escritora Cristina da Costa Pereira traça as origens da etnia e mostra aspectos de seu cotidiano na atualidade em Os ciganos ainda estão na estrada, seu mais recente livro sobre o tema.

Cristina é uma especialista na etnia e uma das raras pessoas a se debruçar sobre o assunto, tendo publicado, em 1985, o ensaio Povo cigano. Consultora do dramaturgo Aguinaldo Silva para a novela Pedra sobre pedra, que trazia personagens ciganos, ela ficou conhecida por suas pesquisas a respeito dos costumes deste grupo étnico, sempre com o cuidado de desmistificar lendas que acompanham o desconhecimento sobre os povos nômades. A reunião desses estudos está em Os ciganos ainda estão na estrada, que busca a origem desse povo do norte da Índia que optou pela dispersão por recusar-se a aceitar o sistema de castas.

Depois de deixarem a Índia, provavelmente entre os anos 800 e 1000, os ciganos se espalham pela Europa, onde são perseguidos pela Inquisição. Muitos se tornam artistas de circo, atividade que mantêm até os dias atuais, enquanto contribuem para a cultura ocidental com a absorção de seu ritmo na música desenvolvida na península ibérica. A ascensão do nazismo aumenta a perseguição aos ciganos, que são enviados para guetos por toda a Europa. Estima-se que 500 mil ciganos tenham morrido durante a Segunda Guerra Mundial.

Apesar da quiromancia e da cartomancia serem as faces mais visíveis da cultura cigana na sociedade atual, Cristina questiona ainda os motivos que fizeram a presença desse povo ser cada vez mais rara nos grandes centros urbanos. No Rio de Janeiro, dos anos 1980 até meados de 1990, a Praça XV e a Quinta da Boa Vista eram pontos importantes do exercício da atividade adivinhatória, bem como a Praça Saens Pena e o Largo do Machado. Em São Paulo, eles ocupavam a Praça da Sé e a Praça da República e, em Belo Horizonte, o Parque Municipal. Hoje, a maioria deles parece ter sido absorvida pela vida cotidiana.

A autora entrevistou muitos ciganos brasileiros, a maioria deles distante do nomadismo, mas ainda mantendo suas tradições, mesmo quando batizados. O livro traz depoimentos de artistas como a atriz Ana Rosa, que vem de uma família circense, Wagner Tiso, descendente de ciganos húngaros, e Orlando Orfei, empresário que tem um dos mais conhecidos circos brasileiros.

A contribuição artística dos ciganos é destacada no livro, que mostra, além da incorporação da música e dança flamengas pelo Ocidente, a presença cigana na literatura, com Carmen, de Prosper Merimée, e na poesia de Garcia Lorca. Outro aspecto que Cristina Pereira ressalta é o misticismo dos ciganos, praticantes da quiromancia e, atualmente, integrando seus conhecimentos a outras manifestações espirituais, como a umbanda.

Comente  
Instagram

O AUTOR

A carioca Cristina da Costa Pereira graduou-se em Letras pela UFRJ e, por dez anos, foi professora de língua portuguesa e literatura. Em 1986, publicou seu primeiro livro, o ensaio Povo cigano, e, em 2000, foi finalista do Prêmio Jabuti Categoria Religião, com o livro A inspiração espiritual na criação artística. Representou o Brasil no Congresso Internacional de Ciganos, a convite do Centro Studi Zingari, na Itália. Em 2006, recebeu o prêmio Mérito Cultural, da União Brasileira de Escritores, pelo conjunto de atividades exercida em prol da arte e da cultura. Em 2009, a Rocco publicou seu mais recente livro, Os ciganos ainda estão na estrada.

Página do autor +