O Refúgio

O Refúgio

Coleção Coleção Marginália

Autor: VALERIO MASSIMO MANFREDI

Preço: R$ 44,50

352 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2765-3

Assuntos: Ficção – Romance/Novela, Romance Histórico

Selo: Editora Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 29,50

E-ISBN: 978-85-81221-36-6

A noite de 12 de janeiro de 1914 foi lembrada na aldeia de Emília, região camponesa e histórica da Itália setentrional, como uma das mais frias de todos os invernos que o homem podia recordar. E é nela que o escritor Valerio Massimo Manfredi inicia a saga dos Bruni, camponeses que moravam na mesma casa e trabalhavam na mesma lavra fazia cem anos. Em O refúgio, o autor italiano reconhecido pelo romance A grande história de alexandre, também publicado pela Editora Rocco, mostra a trajetória da Itália do início do século XX até o pós-guerra. O impacto das vicissitudes nesta família italiana é o principal foco de uma narrativa que mescla mito e lendas da região com história contemporânea.

A morada dos Bruni era um velho edifício campestre com telhado de três vertentes. Erguia-se não muito longe da estrada, a uns cinquenta metros do estábulo e do celeiro. O lugar, dividido em duas partes, uma delas usada como celeiro no inverno e depósito de trigo no verão, depois da ceifa, se torna ao longo das décadas o refúgio de muitos que os Bruni tradicionalmente hospedam com generosidade. A família composta pelo pai Callisto, a matriarca Clerice, sete homens, Gaetano, Armando, Raffaele, que todos chamavam de Floti, Checco, Savino, Dante e Fredo e duas moças, Rosina e Maria, atravessava anos de dificuldades. Eles não tinham dinheiro, mas também não passavam fome: leite, queijo, ovos, pão, presunto e salame não faltavam, pois o dono das terras morava em Bolonha e desse modo eles não precisavam abrir mão do que dispunham para se manterem vivos.

Neste refúgio, nas longas noites de inverno, mitos são contados e reafirmados. A cabra de ouro, cujos olhos eram feitos por duas pedras preciosas vermelhas como o fogo, apareceu naquela noite para Cleto, um hóspede abrigado no celeiro. Tal aparição, segundo a tradição, seria o prenúncio de alguma grande desgraça por acontecer. E não tardou que o mau agouro se confirmasse.

Tempos depois, todos os jovens filhos de Callisto e Clerice foram convocados para o front daquela que será a Primeira Grande Guerra Mundial. O valente e corpulento Gaetano, o mais velho dos sete, foi o primeiro. Mas durante todo o período de luta entre a Itália contra a Áustria e a Alemanha, um a um foram chamados. Destaca-se no romance o ponto de vista do mais intelectual dos irmãos, o engenhoso e idealista Raffaelle, mais conhecido como Floti. As descrições dos combates, das penúrias da guerra, o sofrimento, a dor, a morte nos campos de batalha são narrados com intensidade épica e revelam a diferença de personalidade dos irmãos. Os sete sobrevivem à guerra. Não a tempo para rever o pai, Callisto, já morto quando da chegada de Gaetano, o primeiro a retornar.

Os eventos históricos da Itália, incluindo a guerra civil e a ascensão do facismo de Benito Mussolini e os conflitos dos homens do campo buscando maior justiça social, são narrados pelo autor principalmente através da atuação de Floti, que após a morte de Gaetano lidera a família ao lado da mãe.

Valerio Massimo Manfredi constrói um romance denso, com fortes referências da literatura mundial. Cita, através das personagens, obras emblemáticas como Os irmãos Karamazov, de Dostoievski e a Origem da tragédia, de Friedrich Nietzsche. Além de um preciso painel histórico, o autor constrói uma narrativa que prima pela sensibilidade e emoção dos bons contadores de histórias. A saga dos Bruni resgata valores como a solidariedade, generosidade e o amor incondicional. Serve de refúgio para o leitor que ainda acredita ser possível construir um mundo melhor, apesar de todas as dificuldades.

Comente  
Instagram

O AUTOR

O italiano Valerio Massimo Manfredi é historiador, arqueólogo, professor na Universidade de Milão, escritor e jornalista, tendo dirigido expedições científicas, escavações e explorações na Itália e em outros países da Europa e Oriente Médio. A Rocco publicou a trilogia Aléxandros e Akropolis, O escudo de TalosO tirano, O império dos dragões, O faraó das areias, A grande história de Alexandre e O exército perdido. Meu nome é ninguém, o regresso é a sequência de Meu nome é ninguém, o juramento. 

Página do autor +