História da Filosofia Medieval

História da Filosofia Medieval

Coleção Dorothy tem que morrer

Autor: LUCIANO DE CRESCENZO

Preço: R$ 25,00

148 pp. | 14x21 cm

ISBN: 85-325-2037-5

Assuntos: Filosofia

Selo: Editora Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 16,00

E-ISBN: 978-85-81220-82-6

A Idade Média é conhecida como um período de trevas, durante o qual a investigação científica e filosófica que florescera na Grécia antiga ficou estagnada por mais de um milênio. Mas será verdadeira essa tendenciosa visão, difundida após o renascimento e repetida incansavelmente ao longo dos séculos? Ou será que naqueles tempos turbulentos, em meio a perseguições religiosas, crendices e guerras sanguinárias, podemos encontrar figuras fascinantes e originais, que influenciaram o modo como encaramos a realidade até os dias de hoje?

Luciano de Crescenzo dá prosseguimento à sua história da filosofia abordando o período medieval e mostrando que, ao contrário do que muitos falam, a filosofia escolástica foi uma importante etapa no desenvolvimento do pensamento ocidental e não deve ser relegada ao esquecimento. Usando uma linguagem simples e acessível, livre dos jargões acadêmicos, ele destrincha as principais idéias de filósofos como Hipácia, Proclo, Boécio, Roger Bacon e Guilherme de Occam, e também de célebres teólogos, como São Jerônimo, Santo Ambrósio, São Tomás, São Boaventura e Santo Alberto Magno. Com sua característica irreverência e seu irresistível bom humor, Crescenzo conta ainda histórias interessantes e engraçadas acerca da vida desses pensadores, tornando suas idéias mais compreensíveis e as aproximando do nosso mundo contemporâneo. Filósofos muçulmanos e judeus – como Averróis, Avicena e Maimônides – normalmente deixados de lado quando se fala em pensamento medieval, também são abordados nesse livro, que faz justiça ao fundamental papel que tiveram na interpretação e tradução dos textos de Aristóteles nos séculos XI e XII.

Sem fugir da polêmica, o autor aborda até os temas mais espinhosos e controversos da filosofia medieval, como a relação entre sexualidade e fé, a doutrina da predestinação, os mistérios do rosto de Deus e as contradições que surgiram no próprio seio da Igreja. A julgar por sua ousadia, se Crescenzo tivesse nascido durante o período medieval, certamente o teriam queimado na fogueira. Defensor ferrenho da liberdade de expressão e opositor determinado do obscurantismo religioso que, ainda hoje, impede a produção e difusão intelectual em muitas partes do mundo, Crescenzo faz um contundente discurso contra qualquer forma de censura ou perseguição.

História da filosofia medieval é a continuação de História da filosofia antiga, best-seller na Itália, sucesso também em vários outros países. Ao mesmo tempo introdutório e inovador, esse livro oferece uma visão panorâmica de alguns dos aspectos mais significativos da Idade Média e lança uma nova luz sobre o centenário embate entre fé e razão.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Luciano De Crescenzo nasceu em Nápoles, Itália. Engenheiro, ele trabalhou durante 20 anos na IBM Itália, onde ocupava um cargo de direção. Em 1977, aos 46 anos, publicou seu primeiro livro. No ano seguinte, decidiu abandonar a carreira de engenheiro, que lhe rendia o fabuloso salário de 1 milhão de liras mensais, e passou a se dedicar à arte. Desde então, ele publicou outros 23 livros, traduzidos em 19 idiomas, tendo vendido 18 milhões de exemplares em 25 países. Entre seus títulos de sucesso estão A dúvida e Helena, Helena meu amor, ambos lançados no Brasil pela Rocco. De Crescenzo também fez carreira no cinema italiano: dirigiu quatro filmes, escreveu sete e atuou em oito. Na televisão, foi apresentador de cinco programas.

Página do autor +