Corra, a Vida Te Chama

Corra, a Vida Te Chama

Coleção Foxcraft

Autor: BORIS CYRULNIK

Preço: R$ 36,00

240 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2858-2

Assuntos: Biografia/Memórias/Diários, Ciências/Neurociências

Selo: Editora Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 25,00

E-ISBN: 978-85-81222-93-6

“Eu nasci duas vezes. No meu primeiro nascimento, eu não estava.  Meu corpo veio ao mundo no dia 26 de julho de 1937, em Bordeaux.  Disseram-me. Sou obrigado a crer, uma vez que não tenho lembrança. Do meu segundo nascimento, tenho plena memória.  Uma noite, fui preso por homens armados que cercavam minha cama. Vinham me buscar para me levar para a morte. Minha história nasceu naquela noite.”

Assim começa Corra, a vida te chama, a autobiografia do neuropsiquiatra, psicólogo e psicanalista francês Boris Cyrulnik.  Nesse lançamento da Rocco, Cyrulnik “briga” o tempo todo com recordações que teimam em lhe fugir, mas as quais ele não pode evitar.  O passado sempre bate à porta, não importa o tempo que se passe.  Esse clichê é ainda mais verdadeiro quando ele recorda, ou lhe recordam, da infância permanentemente retirada de alegria, na qual a morte e a fuga o cercam o tempo inteiro.

Judeu, Cyrulnik não entende, quando criança, porque deve permanecer escondido de homens fardados. “Aos 6 anos, a palavra ‘morte’ ainda não é adulta.  É preciso esperar um ano ou dois para que a representação do tempo dê acesso à ideia de uma parada definitiva, irreversível”, escreve.  Assim, a memória do que lhe aconteceu e a seus pais, presos e assassinados durante a perseguição e ocupação nazista da França, ganhava uma leitura completamente diferente, mas não menos traumatizante. Falhas de memória, reminiscências que desaparecem ou são contraditórias. Mais que uma autobiografia, Corra, a vida te chama, pode ser interpretado como um trabalho de criptoanálise, que consiste em desenterrar o mundo secreto que a criança observou dentro de si, como um refúgio perante o horror que presenciara.

Escritor prolífico, com no mínimo 22 obras escritas sobre sua área de atuação, Cyrulnik, em Corra, a vida te chama, rompe o silêncio de sua memória.  Melhor dizendo: ele se contava muito sua própria história, mas não a contava a ninguém.  “Eu fazia alusão, evocava os acontecimentos passados, mas, cada vez que deixava escapar uma migalha de lembrança, a reação dos outros, embaraçados, dubitativos ou ávidos de desgraças, fazia-me calar. Sentimo-nos tão melhor quando nos calamos…”, reflete.

Corra, a vida te chama é um livro sobre trauma, mas também sobre ferida e cura.  O jornalista Claude Weill, em sua resenha crítica, diz que as memoras de Cyrulnik falam “sobre a impossibilidade de dizer num mundo que não quer entender. Sobre a indiferença que mata e o vínculo afetivo que salva. É um livro que trata das ilusões da lembrança e do estranho fenômeno da memória, que não é a reconstituição do passado, mas sua representação, e que não diz a verdade histórica dos fatos mas uma outra verdade, ainda mais verdadeira:  a do sujeito que se rememora”.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Boris Cyrulnik nasceu em 26 de julho de 1937 em Bordeaux e possui numerosos créditos no currículo: psiquiatra, psicanalista, é também responsável por um grupo de pesquisa em etologia clínica no hospital de Toulon, matéria que ele ensina ainda nesta cidade. Contribui largamente para fazer (re)conhecer esta disciplina. Deve-se a ele, igualmente, o conceito de resiliência.

Página do autor +