Coisas da Cosa Nostra

Coisas da Cosa Nostra

Coleção DC Super Hero Girls

Autor: GIOVANNI FALCONE E MARCELLE PADOVANI

Preço: R$ 29,50

192 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2762-2

Assuntos: Biografia/Memórias/Diários, Política, Reportagem/Relatos

Selo: Editora Rocco

Não sou Robin Hood. Sou simplesmente um servidor do Estado em terreno não confiável”, assim se denominava o juiz italiano Giovanni Falcone, um dos mais ardorosos e empenhados combatentes das famílias criminosas na Itália, em especial a máfia siciliana, a Cosa Nostra. O combate incessante, que abalou os alicerces dos mafiosos e os deixou expostos e vulneráveis, exigia do juiz levar vida protegida. O atentado frustrado de 21 de junho de 1989 – 50 bananas de dinamite escondidas entre rochas, a 20 metros de onde tirava férias -, não iludiu Falcone. Em algum momento, conforme lembrou o mafioso arrependido Tommaso Buscetta, a Máfia iria conseguir matá-lo. E assim aconteceu em maio de 1992: Falcone foi assassinado, com a mulher e três seguranças, em uma explosão com 350 quilos de dinamite próximo ao Aeroporto de Palermo, capital da Sicília. O legado que ele deixou, no entanto, não arrefeceu e suas ações inspiraram uma cultura antiMáfia que perdura até hoje no país. Coisas da Cosa Nostra chega às livrarias do país em maio, quando se completam 20 anos da morte do juiz siciliano.

Considerado o inimigo número um da máfia, Falcone criou as condições que abalariam o poder das famílias criminosas: uma estrutura estatal antimáfia eficiente, representada pelas promotoria nacional e direção distrital, a prisão dos maiores capi da Cosa Nostra e de outras máfias que levou à derrota política e militar desta organização que vivia de segredos e rituais, numa estrutura de lógica implacável e sinistra. Um perfil deste juiz, que abriu mão de uma vida de relativo conforto para dedicar-se por anos ao desmonte da Cosa Nostra, pode ser conferido neste lançamento da Rocco. Coisas da Cosa Nostra é um relato sincero e profundo de Falcone sobre sua visão do mundo da máfia.

O livro reúne vinte entrevistas que o magistrado deu para a jornalista Marcelle Padovani, realizadas entre março e junho de 1991. Os relatos estão divididos em seis capítulos, que se relacionam em torno do coração da questão-máfia: o Estado. O primeiro capítulo trata da violência, a manifestação mais tangível da Cosa Nostra. O segundo, das mensagens e dos mensageiros da organização. O terceiro, das inúmeras ligações entre a maneira de viver siciliana e a máfia. O quarto, da organização como tal. O quinto, de sua razão de ser: o lucro. E o sexto é dedicado à sua essência: o poder.

Para desarticular uma organização tão poderosa como a Cosa Nostra, Falcone precisou entender com profundidade como ela funcionava. De origem siciliana, o juiz passou a vida toda imerso na difusa cultura mafiosa, como todo siciliano. Conhecia perfeitamente o significado das pequenas coisas, dos detalhes. Sabia que cada particularidade no mundo da Cosa Nostra tinha um significado preciso. Ele talvez tenha sido o único magistrado em condição de entender e explicar por que a máfia siciliana constituía um mundo lógico, mais racional e implacável. De posse desse conhecimento, aliado a sua dedicação e incorruptibilidade, Falcone esteve em condições de golpear duramente a máfia.

Dotado de uma extraordinária capacidade de trabalho e com memória prodigiosa, soube utilizar a polícia de forma inteligente. Cercou-se de pessoas qualificadas e mostrou-se rigoroso ao extremo no exercício do seu trabalho de investigador, sem jamais atingir objetivos indefinidos, embarcar em uma iniciativa da qual não estivesse certo de seu sucesso e sem entrar em polêmicas pessoais com um suposto mafioso. Manteve-se longe da política e seu conhecimento da máfia – era considerado por muitos mafiosos um homem de honra, cuja maior qualidade é ter dignidade –trouxe para seu lado uma série de criminosos arrependidos, cujos testemunhos representaram um duro golpe para a Cosa Nostra. Suas operações culminaram com uma obra-prima: o maxiprocesso de 1986, com 474 mafiosos respondendo a diversas acusações ao mesmo tempo, graças ao depoimento do mafioso Tommaso Buscetta, que resolveu cooperar com as autoridades sicilianas depois de perder vários parentes, incluindo dois filhos, e amigos, para a máfia. Essas ações passaram para a história como exemplos do Método Falcone.

Coisas da Cosa Nostra é um relato profundo sobre o universo e os códigos da máfia nas palavras de seu maior combatente, e maior conhecedor.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Falcone: Como magistrado e procurador da República, dedicou a carreira à luta contra a máfia siciliana. Foi assassinado pela máfia siciliana em 23 de maio de 1992.Padovani: Como correspondente,acompanhou de perto os efeitos e a luta contra a máfia.

Página do autor +