As Boas Filhas

As Boas Filhas

Coleção O legado de Orïsha #1

Autor: JOYCE MAYNARD

Preço: R$ 39,50

320 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2761-5

Assuntos: Ficção – Romance/Novela

Selo: Editora Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 27,50

E-ISBN: 978-85-81221-22-9

Nascidas no mesmo dia, 4 de julho de 1950, e no mesmo hospital de uma pequena comunidade rural de New Hampshire, nos Estados Unidos, Ruth Plank e Dana Dickerson não poderiam ser mais diferentes. A primeira tem alma de artista e sua imaginação forte destoa da pacata e monótona rotina dos Plank, gente estável como a fazenda que eles comandam há gerações. A segunda sonha com segurança e raízes, algo que os Dickerson jamais poderão oferecer. Indiferentes uma à outra, por vezes ressentidas com o fato de suas vidas serem entrelaçadas, essas “duas irmãs de aniversário” são o fio condutor de As boas filhas, segundo romance de Joyce Maynard publicado pela Rocco.

Acompanhando a trajetória de Ruth e Dana por mais de 50 anos, da infância à velhice, a autora apresenta aos leitores mais que uma história recheada de paixões e dores: faz, também, o relato de uma América em transformação, sacudida pela morte de John F. Kennedy, a chegada do homem à Lua, o festival de Woodstock, a Guerra do Vietnã. Um país em ebulição com questões como a emancipação feminina, as relações do mesmo sexo e as novas configurações econômicas, que fazem com que as pequenas propriedades rurais, como a dos Plank, enfrentem grandes dificuldades para sobreviver às corporações do agronegócio.

É nesse cenário que Joyce Maynard, alternando a narrativa entre Ruth e Dana, traça um retrato pungente de duas jovens com um profundo sentimento de inadequação e um desejo visceral de pertencer a um mundo que, embora não saibam qual é, com certeza não é aquele em que cresceram. Ruth nutre um grande afeto pelo pai, o dócil Edwin, apaixonado pela vida no campo e pela natureza, mas não consegue se entender com as quatro irmãs ou com a mãe, Connie, conservadora, beata e repressora. Sua ambição é deixar a fazenda e uma existência norteada estação após estação pelo plantio e pela colheita, para virar uma artista, livre e descolada como Val Dickerson, mãe de Dana.

Sua “irmã de aniversário” almeja justamente o oposto. Criada por um pai ausente, George, sempre com um projeto supostamente genial para deixá-los ricos, e uma mãe com a qual não tem qualquer tipo de afinidade, Dana é pé no chão, realista e corre atrás da estabilidade que ela e o irmão, o charmoso e inteligente Ray, nunca tiveram. Ela quer deixar no passado a infância e a adolescência de mudanças ditadas pelos delírios de grandeza da família e ter um cotidiano como o dos Plank: previsível e pragmático, mas sem grandes riscos.

Quando Ruth vai para a faculdade de Arte e Dana para a de Agricultura, as duas podem, finalmente, ser quem sempre quiseram. Mas a jornada para a realização é longa e tortuosa. Ruth se envolve com Ray, em um relacionamento que começa em uma noite de drogas e sexo e tem um desenrolar surpreendente, afetando suas ambições artísticas de forma permanente. Dana constrói uma união com a professora Clarice e trabalha arduamente na carreira de cientista. Lentamente, os caminhos das duas “irmãs de aniversário” voltam a se aproximar, em uma trama tocante sobre relações familiares, amor e crescimento pessoal.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Joyce Maynard ganhou atenção do público pela primeira vez em 1972, quando escreveu um texto para o jornal New York Times sobre o fato de ter 18 anos. Logo depois, foi viver com J. D. Salinger, na época com 53 anos. O escritor ficou impressionado com o texto da escritora estreante. Desde o artigo, publicado quando ainda estava fazendo o primeiro e único ano de faculdade, Joyce trabalhou como repórter e cronista do jornal nova-iorquino e, algum tempo depois, passou a assinar uma coluna veiculada em mais de 50 jornais e revistas. Paralelamente à carreira como jornalista, Joyce lançou mais de 10 livros e colaborou com diversas coletâneas de artigos. Mãe de três adultos, Joyce divide o tempo entre Mill Valley na Califórnia, e Lake Atitlan, na Guatemala, onde realiza workshops de redação desde 2002. Fim de verão é seu livro mais recente.

Página do autor +