Amanhã Não Tem Ninguém

Amanhã Não Tem Ninguém

Coleção Biblioteca Hogwarts

Autor: FLÁVIO IZHAKI

Preço: R$ 28,00

200 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2846-9

Assuntos: Ficção – Romance/Novela, Ficção Nacional

Selo: Editora Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 18,00

E-ISBN: 978-85-81222-68-4

Um adolescente acompanha o caixão de seu bisavô, dentro de uma Kombi, angustiado por desconhecer o seu papel naquele ritual. Um relojoeiro é pego de surpresa por um AVC e sobrevive, mas anos depois precisa conviver com a perda da mulher. Um médico recém-formado descobre que não está preparado para lidar, dia a dia, com a presença da morte em seu trabalho. Um garoto se aproxima de sua sexualidade ao mesmo tempo em que se sente atraído pelo contraditório chamado da guerra. Uma senhora vela o corpo do pai no hospital e contextualiza a própria vida. Uma mulher, recém-separada, não consegue se comunicar com o filho, preso num jogo de videogame em looping.

Amanhã não tem ninguém costura as histórias de seis personagens com idades e características diversas, a partir de um eixo em comum: o peso da finitude e da incomunicabilidade. Mais do que o laço de parentesco e a proximidade física, é um tipo arrebatador de solidão que os agrega e faz com que suas histórias pareçam embaralhadas e articuláveis, a ponto de simularem convergir para uma grande trama em comum.

O aguardado segundo romance do carioca Flávio Izhaki – autor que se destacou como um dos mais talentosos de sua geração ao lançar o elogiado De cabeça baixa, em 2008 – reitera as características já presentes em seus outros textos. Apesar de atados a dramas corriqueiros, seus personagens escapam dos estereótipos. O jogo narrativo empreendido pelo autor desenha microcosmos tão perturbadores quanto irresistíveis. O que ele narra, nos diferentes capítulos desse romance, é uma metamorfose da solidão – o sentimento que, apesar de universal, pode assumir facetas sempre surpreendentes, dotadas de alto poder literário. E eis aí o trunfo deste novo romance.

Narradas em primeira pessoa, as histórias revelam a asfixia de cotidianos marcados pelo não dito, pela insegurança, pela perda. Religião, desencanto e tédio articulam-se num retrato desolador das instituições que formam o dia a dia contemporâneo. Não à toa, quase todo o enredo de Amanhã não tem ninguém se passa dentro de casa, da escola ou do hospital, no seio familiar, dentro das relações mais íntimas.

Também não é à toa que as vozes narrativas se embaralham nas páginas deste livro. Os capítulos recebem nomes de dois ou três personagens: é a vez de cada um deles contar sua história. O revezamento nas rédeas da ficção conduz a trama, jogando luz e sombra em personagens e fatos. São a massa uniforme de uma angústia irreversível, familiar. E, ao mesmo tempo, oferecem com suas vozes singulares um alento. O tempo, finito, é também repleto de afetos – e é a partir deles que Flávio Izhaki tem construído seu espaço singular na literatura brasileira contemporânea.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Flávio Izhaki nasceu no Rio de Janeiro, em 1979, e publicou os romances De cabeça baixa (Guarda-chuva, 2008) e Amanhã não tem ninguém (Rocco, 2013), eleito pelos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo como um dos melhores romances brasileiros daquele ano e semifinalista do Prêmio Portugal Telecom 2014. Como contista, já participou de oito antologias.
 

Página do autor +