Aldabra

Aldabra

Coleção Coleção Marginália

Autor: SILVANA GANDOLFI

Preço: R$ 28,50

168 pp. | 14x21 cm

ISBN: 85-325-1561-4

Assuntos: Juvenil, Rocco Jovens Leitores

Selo: Rocco Jovens Leitores

Interpretar Shakespeare, um dos maiores dramaturgos da história do teatro universal, é, sem dúvida alguma, o sonho maior de qualquer ator. Funciona como o ápice de uma carreira. Mais dos atores do que das atrizes, porque, na verdade, os melhores personagens (com algumas exceções, é claro) são masculinos. Para a Julieta, de Romeu e Julieta, a Catarina de A megera domada, e a Ofélia, de Hamlet, esbarramos em uma grande variedade que começa com o próprio príncipe da Dinamarca, Hamlet, e prossegue com Otelo, Iago, Macbeth, Marco Antonio, Júlio César, Lear e tantos outros. Shakespeare, assim como vovó Eia, uma das protagonistas de Aldabra, de Silvana Gandolfi, também preferia os personagens masculinos.

A avó de Elisa sempre foi sábia. Quando “envelheceu”, já carregava consigo o doce fardo da sabedoria. Tanto que “para escapar da morte” tratou logo de se transformar em tartaruga. Preferiu não arriscar e repetir os passos de Lear, um dos muitos e inesquecíveis monarcas criados por Shakespeare, personagem, aliás, que, como tantos outros, devia adorar declamar. Lear, rei da Bretanha, abandonado pelas filhas e traído por seus servidores mais fiéis, ouviu, certa vez (cena V, Ato I) do bobo de sua corte, com quem terminou vagando pelos bosques e estradas: “Não devias ter envelhecido antes de ficares sábio.”

Vovó Eia não poderia correr este risco. Afinal quem sabia Shakespeare de cor conseguiria entender qualquer coisa na vida. E, muito, muito antes mesmo, ela compreendeu que aquele era o caminho.

Shakespeare, com certeza, aprovaria a decisão, pois, na arte de valorizar os inúmeros recursos que a fantasia oferece, sempre foi um mestre.

Aldabra: parte do arquipélago das Seychelles, longínquo atol do Oceano Índico, o maior de origem vulcânica do mundo, tornou-se uma reserva protegida onde se abrigam as tartarugas de Aldabra, espécie em extinção. Geochelone Gigantea é o nome desta criatura pré-histórica que perambulava tranqüilamente pelo planeta antes mesmo dos dinossauros, pode viver, pelo menos, até 200 anos, chegar a 200kg, e colocar 15 ovos, que levam de 5 a 8 meses para eclodir, dependendo da temperatura.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Silvana Gandolfi nasceu em Roma e vive no centro histórico da cidade. A rotina da escritora costuma ser tranqüila e isolada. Já escreveu romances para adultos, novelas para rádio e breves trabalhos de dramaturgia. Nos últimos tempos, vem se dedicando intensamente aos livros infantis, buscando inspiração em suas viagens para todos os cantos do mundo. Em 1996, ela ganhou o prêmio Andersen, dedicado à literatura infanto-juvenil italiana. Além deste, Silvana Gandolfi também recebeu outros prêmios importantes em seu país, entre eles o Prix Cento e o Prix Arpino. Dela, a Rocco publicou também Aldabra, a tartaruga que amava Shakespeare, Pasta mágica de dragão, Olho mágico, O segredo da bola de gude, A Ilha do Tempo Perdido e, mais recentemente, O reino da água.

Página do autor +