Akropolis

Akropolis

Coleção As Memórias do Primeiro Tempo

Autor: VALERIO MASSIMO MANFREDI

Preço: R$ 33,00

200 pp. | 16x23 cm

ISBN: 85-325-1305-0

Assuntos: Ficção – Romance/Novela, Romance Histórico

Selo: Editora Rocco

Atenas, berço do pensamento político e filosófico, fonte de inspiração artística e palco de notáveis acontecimentos, é detalhada em sua história, personagens e mitos em Akropolis. Valerio Massimo Manfredi tem fascínio pela cidade desde os seus 20 anos, época em que viajou para a Grécia. No navio, de volta à Itália, conhece Konstantinos Stavropoulos, o Kostas, funcionário da prefeitura de Atenas, cantor lírico frustrado e crítico dos estudos reunidos neste livro. É para ele que Massimo dedica a obra, na qual entremeia capítulos da narrativa com o relato de conversas travadas pelos dois em 1999. A história de Atenas é contada a partir do seu mito de criação, passa pelos registros históricos e estudos arqueológicos e encerra na Guerra do Peloponeso — 404 a C. —, quando a cidade foi derrotada por Esparta. O autor apresenta um trabalho diferente de um compêndio de História Geral, uma vez que faz o contraponto com o presente.

Manfredi relaciona os mitos — que influenciaram as artes no Ocidente — às origens da cidade. O povo de Atenas contava suas histórias como fábulas, repassadas oralmente de uma geração para outra por meio de cantigas. Atená é a deusa que dá nome à mais influente das cidades antigas. Nascera da cabeça de Zeus, quando Hefesto, o deus serralheiro, golpeou o soberano para aliviar-lhe de uma terrível enxaqueca. Numa disputa com seu tio Poseidon pelo patronato de Atenas, a deusa fez surgir a oliveira, importante fonte de recursos e a mais nobre planta das margens do Mediterrâneo. Dédalo, o arquiteto do labirinto onde vivia o Minotauro, e as aventuras de Perseu são mitos explicados pelo autor.

Na segunda parte, destacam-se as disputas pelo poder e o regime político criado pelos tiranos. É na Grécia que os primórdios da civilização democrata são esboçados e experimentados. Hípias e Hiparco, filhos de Psístrato, tomam a cidade e a subjulgam com uma liderança despótica. O sábio Sólon prega a igualdade de direitos de voto e cidadania, conceitos desenvolvidos em meio a crises constantes, que fizeram de Atenas uma potência militar e um império em franca expansão. Temístocles, Péricles, Cleão e Alcibíades também governaram Atenas. Seus feitos, dissabores, virtudes e erros estão descritos em Akropolis.

As batalhas de Peloponeso, Maratona e Salamina mataram milhares de pessoas, movimentaram vultosos empreendimentos e legaram à posteridade sagas, peças e odisséias que dão pistas sobre a opulência e posterior decadência do império ateniense, em luta constante com os persas e com o poderoso exército de Esparta. Manfredi também mostra que o delicado equilíbrio entre Ocidente e Oriente já preconizava a tensão que se estendeu por séculos, eternizada nas obras de Heródoto, Plutarco, Tucídides e Sócrates.

Comente  
Instagram

O AUTOR

O italiano Valerio Massimo Manfredi é historiador, arqueólogo, professor na Universidade de Milão, escritor e jornalista, tendo dirigido expedições científicas, escavações e explorações na Itália e em outros países da Europa e Oriente Médio. A Rocco publicou a trilogia Aléxandros e Akropolis, O escudo de TalosO tirano, O império dos dragões, O faraó das areias, A grande história de Alexandre e O exército perdido. Meu nome é ninguém, o regresso é a sequência de Meu nome é ninguém, o juramento. 

Página do autor +