A Última Legião

A Última Legião

Coleção Coleção Marginália

Autor: VALERIO MASSIMO MANFREDI

Preço: R$ 56,00

400 pp. | 16x23 cm

ISBN: 85-325-1537-1

Assuntos: Ficção – Romance/Novela, Romance Histórico

Selo: Editora Rocco

Depois do grande sucesso da série Aléxandros, trilogia sobre Alexandre, o Grande, que está sendo adaptada para o cinema pelo cineasta Baz Luhrmann (do filme Moulin Rouge), o escritor italiano Valerio Massimo Manfredi lança agora um novo romance histórico: A última legião. Desta vez, a trama tem como pano de fundo os últimos dias do Império Romano. O cenário é de decadência, mas ainda com lugar para o heroísmo, a esperança e o amor.

Roma, ano 476 da Era Cristã. O imperador do Ocidente é Rômulo Augusto, de apenas 13 anos. O jovem, no entanto, mal tem tempo de experimentar o gosto do poder – a mando do general germânico Odoacro, o lugar-tenente bárbaro Wulfila mata seus pais na sua frente e o aprisiona. A vida de Rômulo só é poupada por razões políticas, pois os bárbaros, que já dominam boa parte do império, não querem despertar a desconfiança de Constantinopla nem a ira do povo e do clero cristão.

O rapaz é mantido prisioneiro na ilha de Capri, na companhia de Ambrosinus, também chamado de Ambrosine, seu velho mestre e protetor. Enquanto isso, um certo Aureliano Ambrósio Ventídio, ou apenas Aurélio, líder guerreiro da legião Nova Invicta, tenta satisfazer o último pedido do pai de Rômulo, Orestes, que lhe dirigiu suas últimas palavras: “Salva o meu filho, salva o imperador. Se ele morrer, Roma morre. E se Roma morre, tudo está perdido.” A Nova Invicta é a última das legiões que, no passado glorioso, existiram para defender o império e assegurar a vida do soberano. Aurélio se mantém fiel a este princípio e parte em busca de Rômulo, a quem sempre considerará o verdadeiro César.

A missão é ambiciosa e quase impossível. A princípio, ele conta apenas com sua coragem e a ajuda de Lívia Prisca, destemida guerreira por quem acabará se apaixonando. Mais tarde, Aurélio consegue libertar os sobreviventes da Nova Invicta, que tinham sido escravizados por Odoacro, e o grupo rebelde aumenta.

O próprio Rômulo, entretanto, tão novo e inexperiente, parece conformado com o destino miserável que os bárbaros lhe reservaram, completamente diferente do que imaginava quando fora sagrado imperador de Roma. Mas suas perspectivas mudam quando, por acaso, ele encontra a mítica espada perdida de Júlio César, a mesma que subjugou galos, germanos, egípcios, sírios, numídios e iberos no passado. E é com ela que Rômulo pretende lutar até vingar a morte de seus pais e recuperar o poder.

A última legião traz uma impressionante reconstituição da Roma antiga. As batalhas são de tirar o fôlego, e a rica descrição das cidades históricas faz o leitor se sentir como se estivesse acompanhando Aurélio em sua viagem através do império. As lendas e profecias que eram difundidas na época vêm à tona. E é impossível não se apaixonar pelos personagens.

Como se sabe, Rômulo Augusto foi mesmo o último imperador do lado ocidental do Império Romano. Ainda assim, o desfecho do livro é surpreendente – somente no final é revelado ao leitor que a história que ele acompanhou com tanta expectativa é a origem de um dos maiores mitos europeus, muitíssimo conhecido, já tantas vezes contado em livros e filmes. É uma última cartada, magistral, de Valerio Massimo Manfredi, que ninguém poderia imaginar.

Comente  
Instagram

O AUTOR

O italiano Valerio Massimo Manfredi é historiador, arqueólogo, professor na Universidade de Milão, escritor e jornalista, tendo dirigido expedições científicas, escavações e explorações na Itália e em outros países da Europa e Oriente Médio. A Rocco publicou a trilogia Aléxandros e Akropolis, O escudo de TalosO tirano, O império dos dragões, O faraó das areias, A grande história de Alexandre e O exército perdido. Meu nome é ninguém, o regresso é a sequência de Meu nome é ninguém, o juramento. 

Página do autor +