A Grande Ruptura

A Grande Ruptura

Coleção Foxcraft

Autor: FRANCIS FUKUYAMA

Preço: R$ 44,00

348 pp. | 16x23 cm

ISBN: 85-325-1106-6

Assuntos: Ciência Política/Relações Internacionais

Selo: Editora Rocco

A passagem da sociedade industrial para a era da informação começou nos anos 60 e culminou, nesta virada do milênio, com o frenesi em torno das novas tecnologias, da Internet e do comércio eletrônico. Mas a revolução vivida na esfera econômica coincidiu com outras mudanças —nem sempre positivas — na vida social. Durante estes mesmos anos, a criminalidade cresceu, afugentando os habitantes dos grandes centros urbanos. Os laços familiares se afrouxaram: os casamentos são menos freqüentes, os divórcios mais constantes e a gravidez fora do casamento é um fato. Diminuiu a confiança que os cidadãos depositam em seus governos e em outras instituições.

Esta é a "grande ruptura" evocada no título deste novo ensaio do autor do polêmico O último homem e o fim da história. Um estudioso da chamada sociedade pós-industrial, Fukuyama é partidário dos princípios básicos do liberalismo. Reconhece no entanto que a chamada "destruição criativa" ocorrida no mundo dos negócios também rompeu muitas das nossos relações sociais. "A cultura do individualismo intensivo, que no mercado e no laboratório conduz à inovação e ao crescimento, invadiu o domínio das normas sociais, onde corroeu virtualmente todas as formas de autoridade e enfraqueceu os laços que mantinham unidas famílias, vizinhanças e nações", escreve ele. Em meio ao culto ao individualismo desenfreado, "a única regra que resta é o desrespeito às regras". Para o autor, este é o calcanhar-de-aquiles das sociedades liberais: "Sua vulnerabilidade é particularmente visível na mais individualista das democracias, os Estados Unidos."

Em A grande ruptura: a natureza humana e a reconstituição da ordem social, Francis Fukuyama examina cuidadosamente as estatísticas para precisar as transformações em curso nas sociedades dos países do Primeiro Mundo. Entra também nos debates sobre os valores e a ética, discutindo posições à esquerda e à direita. Longe de defender uma volta artificial a antigas fórmulas, ele percebe em meio ao ambiente aparentemente caótico dos dias de hoje uma sociedade que luta para forjar outras relações sociais e criar novas regras, adequadas a um novo mundo.

Comente  
Instagram

O AUTOR

 Nascido em 27 de outubro de 1952, o americano Francis Fukuyama é professor de economia política internacional da Paul H. Nitze School of Advanced International Studies, na Johns Hopkins University, nos EUA. Entre 1996 e 2000, ele foi também professor de políticas públicas na George Mason University. Seu primeiro livro, O fim da história e o último homem (1992), figurou nas listas de mais vendidos de diversos países, como EUA, França, Japão e Chile, tendo ganhado o Los Angeles Times’ Book Critics Award e o Premio Capri (Itália). Especialista em questões políticas e militares da Europa e do Oriente Médio, Fukuyama já integrou o Conselho de Planejamento Político do Departamento de Estado norte-americano. Atualmente, ele é membro do Conselho Presidencial de Ética em Biotecnologia, dentre diversos outros títulos e cargos de prestígio internacional.

Página do autor +

MÍDIA

Aconteceu em Blackrock
Matéria publicada no Megazine