A Flor do Taiti

A Flor do Taiti

Coleção Dorothy tem que morrer

Autor: CÉLESTINE HITIURA VAITE

Preço: R$ 34,50

256 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2617-5

Assuntos: Ficção – Romance/Novela

Selo: Editora Rocco

Relacionamentos, diferenças de gênero e transformações socioculturais no seio de uma típica família taitiana dão o mote de A flor do Taiti, de Célestine Vaite. A autora, que encanta pela delicadeza da prosa e por traçar, com sensibilidade e precisão, um painel das relações humanas, foi finalista do Orange Prize 2006 com seu livro anterior, Os sabores da fruta-pão, editado no Brasil pela Rocco.

Em A flor do Taiti, a história se passa na cidade de Faa’a, e acompanha o cotidiano da família Mahi, já retratada em Os sabores da fruta-pão. Desta vez, Matarena, a matriarca, está mais independente e moderna: tornou-se uma estrela do rádio e está disposta a encontrar seu pai, que consta como desconhecido em sua certidão de nascimento. O foco da história se volta, então, para Pito, seu marido, que segue sua vidinha pacata, acomodada e um tanto imprudente.

O casal, que praticamente já criou seus três filhos, tem uma vida tranquila e um relacionamento estável. Mas é claro que, depois de quase um quarto de século juntos, as coisas não são mais como antigamente; não existe mais aquele brilho no olhar, como o de um casal recém-casado. Todos comentam como Pito não conseguiu acompanhar a independência de Matarena.

Eis que surge uma linda flor no quintal de Matarena e Pito: Tiare, a gardênia taitiana, flor branca com perfume adocicado e também símbolo do Taiti, que foi recebida com muito carinho por Matarena e por Pito. Fruto de um relacionamento fortuito de Tamatoa, filho mais velho do casal, com uma taitiana que resolveu entregar a menina aos avós paternos, Tiare faz brotar sentimentos e uma nova atitude em um lar quase estéril.

A partir daí, a história ganha um novo fôlego e mostra, através da detalhada narração de Célestine, que às vezes é necessário mudar para reencontrar o verdadeiro sentido da vida. A autora ressalta ainda a importância do cultivo do amor e do carinho em família, mesmo quando tudo parece não dar certo.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Nascida em 1966, filha de uma taitiana com um militar francês, Célestine Hitiura Vaite cresceu em Faa’a, no Taiti, onde “todos são parentes ou aparentados de alguém”. Apesar de encantada pela literatura francesa, aos 16 anos, apaixonou-se por um australiano – com teve quatro filhos e foi morar com ele na Austrália. A saudade do Taiti a levou a escrever textos que a lembrassem a forma de contar histórias típica de sua terra. Os primeiros livros de contos foram publicados na Austrália, onde também lançou os três romances sobre a família de Materena, que alcançaram sucesso de crítica e público nos diversos países em que foram distribuídos.

Página do autor +

MÍDIA