Capa do livro Redação Inquieta

Redação Inquieta

Autor: gustavo bernardo

Preço: R$ 29,00

240 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2586-4

Assuntos: EDUCAÇÃO/PEDAGOGIA

Selo: Rocco

COMPRE O LIVRO

Disponível em e-book

Preço: R$ 20,50

E-ISBN: 978-85-81221-10-6

Um estudante contempla o papel em branco na sala de aula; um jornalista se agonia com o texto que teima em não fluir; um advogado pensa na melhor maneira de traduzir sua tese de defesa de maneira a ser plenamente compreendido pela autoridade. Três situações, um mesmo desafio: escrever, redigir um texto com clareza, concisão e elegância. Para vencê-lo, Redação inquieta, livro do professor, ensaísta e romancista Gustavo Bernardo, pode ser de imensa valia. Na obra, Bernardo desafia alguns mitos comuns entre alunos, professores e até entre escritores consagrados, como o de que escrever bem só é possível a quem tem um “dom” ou domina este ou aquele conjunto de técnicas narrativas. Em sua reflexão teórica, o autor frisa que seu foco é apostar num ensino de redação menos tecnicista e mais filosófico, sem que isso signifique abandonar a preocupação com correção gramatical, estilo e personalidade.

Dividido em sete capítulos de nomes simples como “Ato”, “Método” e “Estilo”, este Redação inquieta parte de uma contundente crítica à escola, que segundo Bernardo atua para tolher individualidades, buscando uma irreal, porque impossível, padronização da maneira de pensar e, consequentemente, de escrever. O autor faz questão de ressaltar que seu livro não é um manual, cheio de truques e “macetes” para fazer boa redação na aula ou no vestibular, e afirma que seu livro é teórico no sentido mais pleno: o de propor uma hipótese e investigá-la cientificamente, até chegar – ou não – a uma conclusão apoiada em experimentos.

Durante sua investigação, Bernardo não hesita em atacar mitos arraigados na cultura escolar, como o que diz que “quem não lê nada, não escreve nada” – ler é uma necessidade para a própria vida, não só para o aprendizado da escrita, afirma, mas não há linha direta entre ser bom leitor e tornar-se bom escritor. Uma redação, para ele, nunca é produto acabado, mas antes uma espécie de espelho, em que o outro (o que lê) espera encontrar seu reflexo, ainda que distorcido, destacando mais as diferenças que as semelhanças. A redação, prossegue, é uma caminhada que parte do já sabido – e reproduzido quase que ipsis litteris – rumo ao novo, ao inesperado, fruto das novas combinações de ideias e palavras. Combinações estas que só são possíveis a quem recusa a acomodação e encara o desafio de escrever, rasgar o rascunho (“Não acredito na inspiração”), reescrever, tornar a avaliar o escrito, reescrever novamente, até chegar a um texto novo, pessoal. “A atitude de ler é metonímia da vontade de entender o mundo. Escrever, por sua vez, é metonímia da pretensão de transformar o mundo”, afirma.

Um dos capítulos do livro, “Maniqueísmo”, é dedicado ao dualismo “bom-mau” que tanto atrapalha a formação dos argumentos e a organização da redação ao buscar adaptar o mundo real à simples divisão entre Bem e Mal – onde estarão, segundo ele, os adversários da doutrina dominante, qualquer que seja ela. O maniqueísta, ao optar por um dos lados, procurará sempre calar o oponente, que por sua vez lutará contra o pensamento dogmático, doutrinário, do outro. Como marxista de formação, Bernardo ressalta que calar o oponente é sempre parte de uma estratégia de dominação.

Lançado em 1985 e depois reeditado, o livro (que passou por revisão e atualização, feitas pelo autor) segue sendo ótima referência em tempos de internet – nos quais, se não aumentou o número de novos escritores, certamente cresceu a porção deles que se dispõe a expor seus escritos à avaliação de qualquer leitor com acesso à grande rede – para todos que, como o estudante, o jornalista ou o advogado citados no início deste texto, desejem aprimorar filosoficamente sua maneira de pensar o mundo a seu redor e de traduzi-lo em palavras que expressem esse pensar.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Gustavo Bernardo, doutor em Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), é professor e escritor, autor de romances e livros de ensaios premiados.

Página do autor +