Capa do livro A Viúva Clicquot

A Viúva Clicquot

Autor: tilar j. mazzeo

Tradução: Angela Lobo

Preço: R$ 39,50

304 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2419-5

Assuntos: BIOGRAFIA/MEMÓRIAS/DIÁRIOS, REPORTAGEM/RELATOS, CULINÁRIA/GASTRONOMIA/ENOLOGIA

Selo: Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 25,90

E-ISBN: 978-85-812-2750-4

A história da fundadora de uma das casas de champanhe mais famosas do mundo é contada em A Viúva Clicquot. Graças a um extenso trabalho de pesquisa, a autora Tilar J. Mazzeo nos mostra que, nos séculos XVIII e XIX, Barbe-Nicole Clicquot Ponsardin foi uma das primeiras mulheres a liderar um império comercial internacional, sob a marca Veuve Clicquot. Sem medo de arriscar a própria independência financeira, ela fez do produto que vendia um sinônimo de luxo e tornou-se uma lenda na França.

Filha de um rico comerciante, Barbe-Nicole testemunhou, ainda criança, a Revolução Francesa. Criada para ser esposa e mãe, ela não tinha o menor conhecimento do mercado de vinhos, já que o dinheiro da família era proveniente da indústria têxtil. Sua entrada no ramo da vinicultura viria graças ao casamento com François Clicquot, cujo pai, que também fizera fortuna na área de tecelagem, resolvera investir no comércio de bebidas.

Viúva aos 27 anos, com uma filha pequena e sem qualquer formação empresarial, Barbe-Nicole assumiu o controle da vinícola do marido. Em meio ao caos das guerras do período napoleônico, a jovem levou pouco mais de uma década para transformar uma pequena empresa familiar em um grande negócio, superando períodos de crise e firmando-se como uma das mulheres mais ricas e bem-sucedidas de seu tempo.

Entre as inovações promovidas por Barbe-Nicole nas adegas, a mais importante é o processo conhecido como remuage, que barateou o custo da produção ao aumentar o aproveitamento do produto. Trata-se de um método de armazenar garrafas de cabeça para baixo, permitindo eliminar rapidamente os resíduos acumulados durante a segunda fermentação, essencial para a formação de bolhas no champanhe. Com isso, a bebida se torna cristalina.

Mas a maior inovação levada a cabo pela viúva Clicquot não é de ordem técnica. Com ela, o champanhe passou a ser sinônimo de luxo e sofisticação ao cair nas graças da rica burguesia ascendente. Era essa classe emergente que Barbe-Nicole ambicionava conquistar, transformando o mercado de bebidas enquanto toda a estrutura do ancién regime ruía.

Embora tenha sido uma revolucionária na vida pública, na intimidade Barbe-Nicole era extremamente conservadora: nunca defendeu os direitos das mulheres, apesar de ter vivido na época do nascimento do feminismo, e manteve a filha afastada da gestão da empresa, preferindo cercar-se de homens. Audaciosa nos negócios, ela concentrou seus esforços no desafio de comandar uma companhia de bebidas em tempos turbulentos, entrando para a História como a figura empreendedora que abriu horizontes para as mulheres no mundo dos negócios e mudou a vinicultura francesa, forçando todos os que a cercavam a reconsiderarem os estereótipos de gênero da época.

Leia um trecho +

Comente  
Instagram

O AUTOR

Tilar J. Mazzeo é historiadora cultural e biógrafa, além de uma estudiosa apaixonada pela produção de vinhos e culinária. Ela mora nos Estados Unidos, onde divide seu tempo entre a Califórnia, a terra americana do vinho, e o Maine, onde é professora-assistente no Colby College.

Página do autor +