Capa do livro Chão de Terra

Chão de Terra

Autor: rosiska darcy de oliveira

Preço: R$ 28,00

192 pp. | 14x21 cm

ISBN: 9788532525086

Assuntos: FICÇÃO – CONTO, BIOGRAFIA/MEMÓRIAS/DIÁRIOS

Selo: Rocco

Da ditadura do corpo à sede irrefreável de sucesso; da falta de tempo, que acomete até as crianças, ao medo da morte; do amor à amizade, passando pelo ciúme e pela fidelidade; de reminiscências da infância à crítica ao trabalho que escraviza. Estes são alguns dos temas abordados com maestria e elegância por Rosiska Darcy de Oliveira na coletânea de Chão de terra. Em comum, os textos fazem um convite à reflexão ao lançar uma mirada crítica em assuntos caros à autora, e fundamentais para a vida humana.

No texto de abertura, que dá título ao livro, as lembranças da terra molhada vêm à tona no retorno ao país, depois de longo tempo fora: “O corpo, anos depois, se lembra logo do que se esqueceu. Um perfume atravessa décadas e chega na urgência daquele minuto. Foi assim naquela tarde inesperada. Bastou para medir os anos sem chão de terra, lá onde a grama cresce verde e atapetada, onde não há poeira nem sede no chão. Onde não foi sua infância e onde se fez tão estrangeiro o seu desejo”, conta Rosiska, ela mesmo exilada na Europa por denunciar as torturas cometidas durante a ditadura militar.

Alguns de seus textos e crônicas remontam a reminiscências como “As turcas”, sobre uma família de mulheres de origem libanesa, consideradas “malditas” na família da escritora. No entanto, ela e as misteriosas mulheres travaram um estranho e amistoso relacionamento. “Tinha aprendido os amores clandestinos”, relata. Já em “Fidelidades”, Rosiska lembra a triste história real de uma poderosa mulher que tem que lidar com o diagnóstico de Alzheimer que atinge o marido e o faz esquecer de sua imagem. Sentimentos também permeiam crônicas como “Museu do ciúme” sobre tal sentimento, “um inferno privado onde alguém se instala para viver uma vida de voyeur”. No belo “Réquiem por uma amiga”, Rosiska reflete sobre os motivos que levaram uma amizade ao fim.

Grandes mulheres como Simone de Beauvoir e Virginia Woolf são lembradas em seus ensaios. Ela também questiona a ética que permeia o mundo moderno, do trabalho que escraviza, das angústias e aflições da falta de tempo – que acomete, inclusive, crianças -, ao mesmo tempo em que, paradoxalmente, defende a ideologia do carpe diem. Assuntos já abordados em seu livro Reengenharia do tempo, também lançado pela Rocco.

Misto de biografia afetiva com ensaios críticos, Chão de terra é a reunião de impressões sobre momentos decisivos na formação da escritora e jornalista, um passeio instigante por seus valores e experiências de vida.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Rosiska Darcy de Oliveira, escritora e ensaísta, é membro da Academia Brasileira de Letras. Seus primeiros livros, Le Féminin Ambigu e La Culture des Femmes, publicados durante o exílio, exprimem sua participação no emergente movimento internacional de mulheres. Elogio da diferença e Reengenharia do tempo dão continuidade a sua obra ensaística sobre o feminino. A dama e o unicórnio, Outono de ouro e sangue, A natureza do escorpião, Chão de terra, Baile de máscaras e Pássaro louco exprimem sua vocação de cronista. Colunista da página de Opinião de O Globo, a Rocco publica sua obra no Brasil.

Página do autor +