Capa do livro Areia Nos Dentes

Areia Nos Dentes

Autor: antônio xerxenesky

Preço: R$ 24,00

144 pp. | 13,5x20,5 cm

ISBN: 978-85-325-2592-5

Assuntos: FICÇÃO – ROMANCE/NOVELA, FICÇÃO NACIONAL

Selo: Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 15,50

E-ISBN: 978-85-8122-457-2

Homens com armas no coldre, à espreita do perigo. Duelos, carteados, mariachis, ambiente desértico, entra e sai no saloon. Elementos típicos das melhores histórias de faroeste povoam o primeiro romance do gaúcho Antônio Xerxenesky. Embaralhadas a eles, situações em geral alienígenas ao clássico repertório do Velho Oeste: um escritor às voltas com um vírus de computador, pitadas irônicas de metalinguagem e até um ataque de zumbis.

Não à toa, o autor dedica parte de seus agradecimentos a um eclético rol de artistas: os escritores Thomas Pynchon e Cormac McCarthy e os cineastas Sergio Leone, Sam Peckinpah, Clint Eastwood, Dario Argento, George Romero e Takashi Miike. Uma turma que dá pistas de onde Xerxenesky foi buscar o sangue, o bom humor, o manejo inusitado da cultura pop, o estilo ágil e, claro, os mortos-vivos que marcam seu romance.

O pastiche, porém, é apenas uma das dimensões deste livro de estreia. Herdeiro das artimanhas do cinema, contagiado pelas possibilidades narrativas da metaficção, Areia nos dentes passeia por enquadramentos originalíssimos. Diante da sobreposição de tramas, o corte é rápido, certeiro, e não deixa dúvidas: não há um protagonista eleito, tampouco uma trama predominante.

Como pontos de partida, dois eixos narrativos básicos. Em Mavrak, um vilarejo perdido na fronteira entre o México e os Estados Unidos, duas famílias alimentam uma rivalidade ancestral, num passado não muito remoto — começo do século 20, talvez. Num apartamento da capital mexicana, um aposentado experimenta as angústias típicas de um escritor, ao tentar, nos dias atuais, narrar a história de seus antepassados.

Debaixo destes dois eixos, porém, Areia nos dentes também é a história de um jovem recém-formado que retorna à sua cidade natal e reencontra o amor da adolescência, a la Romeu e Julieta. A de um homem da lei com um passado misterioso, que investiga crimes enquanto se envolve com a dona de um bordel. A de uma família que esconde experimentos misteriosos em seu porão. A de um patriarca que vê no futuro a impossibilidade de propagar a valentia do seu sangue. A de um velho que não consegue se entender nem com seu computador, nem com seu filho — trazendo para o contemporâneo a dificuldade de comunicação entre pais e filhos que permeia todo o romance. E assim tudo se agrega num jogo de espelhos, construído com humor esperto e destreza literária.

Porque Areia nos dentes é, sobretudo, um exercício de estratégias narrativas. O leitor ora invade o diário de um personagem, ora acompanha, concomitantemente, o pensamento de dois caubóis envolvidos numa perseguição a cavalo, em duas colunas que dividem a página. Recursos que provam a raridade deste romance de estreia, no qual a ousadia estilística caminha lado a lado com a ideia de que a literatura pode — e deve — ser uma baita diversão.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Antônio Xerxenesky é um escritor e tradutor brasileiro nascido em 1984. Teve textos publicados em diversos jornais e revistas, como The New York Times, Newsweek, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, entre outros. Alguns de seus contos foram traduzidos para o inglês, o espanhol e o alemão. Em 2012, foi eleito pela revista Granta um dos vinte melhores jovens escritores brasileiros. Atualmente, vive em São Paulo.

Página do autor +

MÍDIA

Areia nos Dentes
Matéria publicada no Correio Braziliense