Capa do livro O ano do dilúvio

O ano do dilúvio

Autor: margaret atwood

Tradução: Márcia Frazão

Preço: R$ 54,90

472 pp. | 14 x21 cm

ISBN: 978-85-325-2632-8

Assuntos: FICÇÃO – ROMANCE/NOVELA, FICÇÃO CIENTÍFICA/DISTOPIA

Selo: Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 29,90

E-ISBN: 978-85-812-2759-7

O ano do dilúvio mostra Atwood no auge de seus prodigiosos poderes criativos. – Elle

Atwood cria mitologias alternativas das mais impressionantes para o nosso mundo infernal.
Ela pode estar imaginando um mundo em chamas, mas o faz com uma gargalhada sombria. 
– The Los Angeles Times 

Pensamentos uniformes, comportamentos programados, regimes de exceção, controle social, experiências genéticas e a luta por uma sobrevivência cada vez mais em risco pelo desrespeito à natureza estão em O ano do dilúvio, romance pós-apocalíptico da canadense Margaret Atwood. Se todos os elementos de uma distopia estão encadeados na surpreendente trama criada pela celebrada autora de O conto da aia, o futuro em que a história se situa não parece tão distante da atualidade. O ano do dilúvio é o segundo de uma trilogia que começa com Oryx e Crake e se encerra com MaddAddão, e retorna às livrarias com novo projeto gráfico de capa.

Ambientalista fervorosa, Margaret Atwood tem uma íntima ligação com a natureza desde a infância, quando viveu nas florestas canadenses por conta do trabalho do pai, biólogo. Durante sua viagem à Europa, em 2009, para promover O ano do dilúvio, cercou-se de cuidados a fim de que a turnê fosse “o mais verde possível”. Além de adotar alimentação vegetariana, hospedou-se e fez eventos apenas em locais que tinham uma política de conservação ambiental, preferiu usar trens a automóveis – a fim de reduzir as emissões de carbono – e atravessou o Atlântico Norte de navio.

O livro se inicia no Ano 25, o Ano do Dilúvio Seco, termo com que os personagens se referem à epidemia que matou muitas pessoas. Não há descrição sobre o tipo de doença, sabe-se apenas que um de seus sintomas é a tosse. Os sobreviventes estão divididos entre os que preferem o mundo de prazeres artificiais, no qual os shopping centers e os spas voltados para a estética são reverenciados como templos, e os que buscam um retorno à vida naturalista. Concorrendo na conquista desses sobreviventes, estão a seita ecológico-religiosa dos Jardineiros e corporações como a CorpseCorps, que detém o conhecimento científico e tecnológico e se esforça para manter o controle de toda a sociedade.

Dois personagens, Toby e Ren, dão pistas do desastre: um mundo dividido entre os ricos moradores dos condomínios artificiais que trabalham com biogenética; miseráveis e imigrantes, que vivem nas ruas da Plebelândia; e ecofanáticos, que lutam contra experiências genéticas e o consumismo desenfreado.

A degradação, o temor e o instinto de sobrevivência caminham juntos no cenário de desesperança traçado por Margaret Atwood em O ano do dilúvio. Nesta trama perturbadora, sombria e extremamente atual que reflete sobre a ilimitada capacidade humana para dizimar sua própria espécie, há espaço, porém, para valores como a lealdade, o afeto e a amizade.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Uma das maiores escritoras de língua inglesa, Margaret Atwood foi consagrada com alguns dos mais importantes prêmios internacionais, como o Man Booker Proze (2000) e o Príncipe de Astúrias (2008), pelo conjunto de sua obra, além de ter sido agraciada com o título de Cavalheira de L’Ordre des Art et Lettres, na França. Tem livros publicados em mais de 30 idiomas e reside em Toronto, depois de ter lecionado Literatura Inglesa em diversas universidades do Canadá e dos Estados Unidos e Europa. Transita com igual talento pelo romance, o conto, a poesia e o ensaio, e se destaca por suas incursões no terreno da ficção científica, em obras como O conto da aia e Oryx e Crake, ambos publicados pela Rocco.

Página do autor +