Capa do livro Um rei sem majestade

Um rei sem majestade

Autor: adriana lisboa

Ilustração: Lúcia Brandão

Preço: R$ 49,90

32 pp. | 18x27 cm

ISBN: 978-85-62500-97-8

Assuntos: INFANTIL, FICÇÃO – POESIA, ILUSTRADO

Selo: Rocco Pequenos Leitores

Disponível em e-book

Preço: R$ 29,90

E-ISBN: 978-85-62500-98-5

Em seu novo livro infantil, a premiada escritora Adriana Lisboa apresenta um poema que convida os pequenos leitores a experimentar uma nova visão de mundo. Por meio de um inventivo jogo poético, a autora cria metáforas para definir diversas situações do dia a dia.

A estrofe de abertura introduz a ideia de incompletude que Adriana explora ao longo do poema: “Um rei sem majestade / É meia maçã sem a outra metade. / É domingo sem feira, / Quintal sem mangueira, / Goiabeira sem quintal.” As comparações com outros universos, que não o do primeiro verso, estimulam a criança a criar suas próprias associações de ideias, desviando o olhar infantil do lugar-comum.
 
O lirismo da autora transborda, como na página 8: “Menina sem sorriso: / Vestido sem vento / Deserto sem miragem / Susto sem alívio / Janela de trem onde falta paisagem.” E esse mesmo lirismo é usado para falar de temas abstratos como os sentimentos. “Beijo que não veio tem gosto / De ontem sem amanhã. / É feito lagoa sem peixe, / Feito óculos sem lentes, / Dentadura branquinha sem dentes” são versos sobre frustação, por exemplo.

Adriana utiliza a ausência como recurso, representada pela preposição “sem”, e parece querer que o pequeno leitor busque completar lacunas para transformar o mundo à sua volta em algo mais inteiro, cheio de sentidos e significados. A riqueza do poema está justamente no fato de as soluções para os problemas apresentados – “Um rei sem majestade”, “Coração frio”, “Sonho que não faz voar”, “Livro sem leitor”, “Sono sem cama” etc. – não serem óbvias.

Para enriquecer ainda mais o livro, a ilustradora Lúcia Brandão desenvolveu imagens que criam novas metáforas a partir das sugeridas pela escritora. Em uma paleta de cores cheia de contrastes fortes, a artista faz com que o leitor fique cada vez mais envolvido com a densidade do poema.

Um rei sem majestade oferece a pequenos leitores, pais e professores múltiplas possibilidades de leitura, o que só favorece o processo de mediação, seja em casa ou em sala de aula. O jogo poético criado por Adriana Lisboa e as ilustrações de Lúcia Brandão compõem uma obra essencial para ampliar a visão de mundo das crianças.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Adriana Lisboa nasceu no Rio de Janeiro. Romancista, poeta e contista, é autora, entre outros livros, dos romances Sinfonia em branco (Prêmio José Saramago), Azul corvo (um dos livros do ano do jornal inglês The Independent) e Hanói (um dos livros do ano do jornal O Globo). Na literatura infantil, estreou com Língua de trapos, pelo qual recebeu o prêmio de autor revelação da FNLIJ. Seus livros foram traduzidos em mais de vinte países. Seus poemas e contos saíram em revistas como Modern Poetry in Translation e Granta. Morou na França, na Nova Zelândia, e atualmente vive nos Estados Unidos.

Página do autor +