Capa do livro FIC

FIC

Por que a fanfiction está dominando o mundo

Autor: anne jamison

Tradução: Marcelo Barbão

Preço: R$ 69,50

400 pp. | 16x23 cm

ISBN: 978-85-69474-14-2

Assuntos: LINGUAGEM E LEITURA, TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA

Selo: Anfiteatro

Disponível em e-book

Preço: R$ 29,50

E-ISBN: 978-85-69474-15-9

Imagine Kirk e Spock, da série de TV Jornada nas estrelas, vivendo um tórrido caso amoroso. Ou o amor entre a humana Bella e o vampiro Edward, da série de livros Crepúsculo, chegando às últimas consequências físicas e emocionais. São histórias que jamais foram ao ar pelas mãos de seus criadores, mas que existem nos vários universos criados pelos fãs dessas e de outras obras da literatura e da cultura pop e que ganham vida por meio das fanfictions. Mais do que inspirar-se em personagens e histórias consagradas, as fanfics, como são conhecidas, propõem uma nova forma de contar histórias. Nelas, os fãs se apropriam daquilo que gostam e se identificam e recontam e criam novas narrativas.
 
Em FicPor que a fanfiction está dominando o mundo, lançamento da Rocco pelo selo de ideias e debates Anfiteatro, a professora americana de Letras e PhD em Literatura Comparada por Princeton Anne Jamison explica as origens da fanfiction, que datam do fim do século XIX, com histórias sobre Sherlock Holmes, e faz uma análise dessa nova narrativa a partir de obras da literatura e da cultura pop e sua evolução até hoje. Foi a partir dos anos 1960, com a expansão da TV e da cultura pop, que a tendência tornou-se um padrão constante.
 
Séries como Jornada nas estrelas, Arquivo X e Buffy, a caça-vampiros influenciram milhares de admiradores a criar histórias inspiradas nos universos e personagens.  A autora de Cinquenta tons de cinza E L James se inspirou em fanfics criadas a partir do universo de Crepúsculo. A história dos dois amantes que se envolvem em um perigoso jogo de sedução originou-se de uma fanfic sua publicada no site de fãs de Crepúsculo.
 
A partir daí, os fãs começaram uma revolução — eles confiscaram, como revolucionários, os meios de produção. Começaram publicando e circulando zines mimeografados junto com artigos, ensaios, editoriais e fan art — fanfiction: histórias originais e não autorizadas sobre os personagens da série, situadas no universo da série. Nesse momento, ocorre a ruptura do antigo paradigma em que as histórias e os personagens são propriedade exclusiva de seus autores, e no qual os leitores e os espectadores permaneciam em um estado de contemplação. Eles transformaram o ato de ler e de assistir, antes solitário e silencioso, em uma conversa ativa.
 
Segundo Anne Jamison, a fanfiction afirma os direitos dos narradores de tomar posse de personagens e narrativas de outras pessoas e contar suas próprias histórias — expandir e construir em cima do original e, quando necessário, ajustá-lo e otimizá-lo para cumprir seus próprios objetivos. Fanfics abriram espaço para temas complexos e variados, indo além de limites entre gêneros sexuais e gêneros literários, raças, cânones, corpos, espécies, passado e futuro, consciência e inconsciência, ficção e realidade.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Anne Jamison é Professora Associada de Inglês na Universidade de Utah. Ela fez seu mestrado na University of London e o doutora­do, em Literatura Comparada, pela Princeton University. É a autora de Poetics en passant (Palgrave, 2009), e prepara um livro sobre Franz Kafka e a cultura checa, que já mereceu o prêmio de pesquisa da Oxford University, em 2014. Seu trabalho sobre fanfiction foi citado em importantes publicações como The New York Review of Books, The Wall Street Journal e PopWatch Entertainment Weekly.  Ela vive feliz em Salt Lake City em uma casa cheia de crianças, basset hounds e um poeta vanguar­dista. E sim, claro que ela escreve fic, sendo muito ativa nas redes sociais, tuitando com fre­quência em: @prof_anne.

Página do autor +