Capa do livro Vivienne Westwood

Vivienne Westwood

Autor: vivienne westwood e ian kelly

Tradução: Helena Carone E Maryanne Linz

Preço: R$ 69,50

496 pp. | 16x23 cm

ISBN: 978-85-69474-08-1

Assuntos: BIOGRAFIA/MEMÓRIAS/DIÁRIOS, MODA

Selo: Anfiteatro

COMPRE O LIVRO

Disponível em e-book

Preço: R$ 29,50

E-ISBN: 978-85-69474-09-8

"Existe Westwood, e existe o resto." ­– The New York Times


"Vivienne é a Coco Chanel de nosso tempo." – Alexander McQueen


A grande dama da moda inglesa, Vivienne Westwood, está longe de se assemelhar a uma pacata senhora britânica, com seus cabelos coloridos e criações de alta-costura que, desde os anos 1970, parecem reproduzir à risca o que se usa nas ruas. Em sua autobiografia, Vivienne Westwood, que assina junto com o jornalista Ian Kelly, ela narra suas memórias pessoais, os eventos, personagens e ideias que moldaram uma vida extraordinária.
 
A biografia traça a trajetória de Vivienne desde sua infância ao lado de um casal de irmãos na região de Devonshire. Nascida em 1941, ela se mudou para Londres com a família 17 anos depois. O primeiro e rápido casamento com um empresário de bandas de rock como o The Who rendeu-lhe o filho mais velho, Ben, e o sobrenome que usa até hoje. O segundo filho, Joe, nasceu da longa relação com Malcom McLaren, produtor da banda Sex Pistols e uma das figuras mais influentes da cultura punk. Ao lado de McLaren, Vivienne teve sua primeira loja, cujas roupas encantavam músicos e artistas que vestiam suas extravagantes criações.
 
O pioneirismo de Vivienne Westwood em captar a irreverência de um momento de grandes mudanças na estrutura social da Inglaterra é apresentado como a matéria-prima de sua inspiração. Vivienne começou a criar roupas em 1971 com o parceiro na época, Malcolm McLaren, quando Londres estava na vanguarda das tendências culturais. Em 1984, lançou sua própria linha de moda e em 2004 o museu V&A recebeu uma exposição de retrospectiva de Vivienne Westwood para celebrar seus 34 anos na moda – a maior exibição jamais dedicada a um estilista britânico vivo. Em 2006, sua contribuição à moda britânica foi oficialmente reconhecida quando foi designada Dama do Império Britânico por Sua Majestade a rainha Elizabeth II.
 
Com Vivienne, a alta-costura deixou de ser destinada a pequenos grupos de mulheres ricas e tomou uma dimensão industrial. As coleções lançadas nas semanas de moda são apresentadas como espetáculos de artes cênicas – e Vivienne Westwood sabe aproveitar como poucos estilistas os conceitos dramatúrgicos dos desfiles de moda da atualidade. Para ela, moda é uma expressão política, diz Ian Kelly, lembrando que Vivienne começou a costurar bem jovem, tendo conhecido a escassez de material para a produção de roupas durante a Segunda Guerra Mundial, quando calcinhas de meninas eram ajustadas ao corpo por botões, devido à falta de elástico para os acabamentos.
 
As observações irônicas de Kelly são reservadas à introdução, quando ele descreve os preparativos para a Semana de Moda de Paris. “É quase decepcionante. Presenciei mais cenas dramáticas e pitis em uma papelaria do que no ateliê de Vivienne Westwood”, comenta Kelly. Ao lado de Vivienne está seu marido, o também estilista Andreas, 25 anos mais jovem do que a mulher, com quem se casou há mais de duas décadas. Segundo Ian Kelly, a serenidade do casal é um dos motivos para que eles sejam venerados por modelos e produtores de moda, que lutam para integrar as equipes de seus desfiles.
 
Westwood sempre usou suas coleções e seus desfiles como uma plataforma para fazer campanha para o ativismo positivo. Ela passou muitos anos discursando incansavelmente a respeito dos efeitos da mudança climática e do consumo excessivo. Vivienne também é curadora na organização pelos direitos humanos Liberty e benfeitora da Reprieve, além de fazer campanhas para a Anistia Internacional. Ao final da autobiografia, fica a imagem de uma personagem extravagante e iconoclasta, uma figura forte e consciente do papel da moda como disseminador de ideias políticas da atualidade.  

Comente  
Instagram

O AUTOR

Vivienne Westwood é designer de moda e ativista política. Ian Kelly é o premiado biógrafo de Casanova, Beau Brummell, Samuel Foote e Antonin Carême.

Página do autor +

MÍDIA

Veja mais notícias +