Capa do livro Alice

Alice

Não mais que de repente

Autor: b. kucinski

Preço: R$ 27,50

192 pp. | 14 x21 cm

ISBN: 978-85-325-2925-1

Assuntos: FICÇÃO – ROMANCE/NOVELA, FICÇÃO NACIONAL

Selo: Rocco

COMPRE O LIVRO

Disponível em e-book

Preço: R$ 18,00

E-ISBN: 978-85-812-2423-7

Entre os muros da USP, um crime inconfessável é o ponto de partida para uma trama labiríntica em que um bem construído elenco de personagens – da vítima à mente criminosa, do delegado investigador ao professor chocado, todos com suas fragilidades, vaidades, medos, erros e acertos – forma um conjunto extremamente humano e simbólico da sociedade contemporânea. Este é o mote de Alice: Não mais que de repente, do aclamado jornalista e cientista político Bernardo Kucinski. Sob a assinatura de B. Kucinski, ele dá forma a um romance policial ambientado na mais prestigiada universidade brasileira.


No livro, uma jovem cientista é encontrada morta em sua sala, no Instituto de Ciências Físicas. Uma morte de causas não naturais, como logo percebe a perícia. E cercada de mistério. Alice Nakamura, a vítima, era considerada um gênio da matemática. Jovem, bonita e promissora, mantinha uma rotina sossegada, cujo foco era sua pesquisa: estava às vésperas de concluir uma importante descoberta. Não tinha problemas de saúde, inimigos, questões passionais. Era querida pelos colegas e pelos alunos. Não havia sinais de roubo. Por que, então, uma morte tão súbita? O que representa aquela tentativa de bilhete escrito a sangue, onde só se lê um esboço de letra “P”? 


Magno, um experiente delegado de polícia, assume a missão de desvendar o caso. Mas não é o único. Rogério, orientando de Alice, também busca, às escondidas, pistas sobre o suposto crime. Para isso, conta com os conselhos de Zimmerwald, um velho cientista banido da universidade, que agora leciona Arte. Juntos, vão observar com desconfiança as possíveis peças desse intrincado quebra-cabeça, como a estranha visita de um professor americano, as promíscuas relações no ambiente acadêmico e o passado de uma família de imigrantes japoneses que tiveram que readaptar, à realidade brasileira, os costumes de seu país.


Alice marca a incursão de B. Kucinski no universo policial. Como em K., seu aclamado romance de estreia, o suspense aparece de forma intensa, irresistível. Seu estilo, porém, revela surpresas. Em vez do tom intimista de sua prosa anterior, marcada pelo jogo de tensões, agonias e pelos caminhos fragmentados, Alice desvela uma trama ágil – como num elogio às clássicas novelas policiais, e em especial ao "whodunnit" de Agatha Christie e Arthur Conan Doyle, no qual há muitos suspeitos, mas o verdadeiro criminoso só será revelado no final. 


Ao mesmo tempo, este novo romance passeia com desenvoltura e coragem por temas muitas vezes nebulosos do Brasil contemporâneo, como as pesquisas do universo nuclear, as mazelas do ambiente acadêmico - onde nem sempre a ética permeia a produção científica – e os ainda velados preconceitos de gênero.

Comente  
Instagram

O AUTOR

B. Kucinski é a assinatura literária do jornalista e cientista político Bernardo Kucinski, que estreou na ficção com o romance K., finalista dos prêmios Portugal Telecom, São Paulo de Literatura e Machado de Assis. Autor de vários livros renomados de não ficção, entre eles Jornalismo econômico, vencedor do Prêmio Jabuti (1997), Kucinski cursou graduação em Física na Universidade de São Paulo (USP), onde também obteve grau de doutor em Ciências da Comunicação. Não é mera coincidência que a mesma USP sirva de arena para este que é seu primeiro romance policial. Alice: Não mais que de repente marca também a estreia do autor na Rocco.

Página do autor +

MÍDIA

Alice e os átomos
Correio Braziliense