Capa do livro Frutos Estranhos

Frutos Estranhos

Sobre a Inespecificidade na Estética Contemporânea

Coleção Entrecríticas

Autor: florencia garramuño

Tradução: Carlos Nougué

Preço: R$ 24,50

128 pp. | 13,5x18 cm

ISBN: 978-85-325-2905-3

Assuntos: ENSAIO, TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA

Selo: Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 16,50

E-ISBN: 978-85-8122-420-6

Frutos estranhos é uma provocativa análise das imbricações entre literatura e linguagem artística, mostrando que há romances que são quase ‘textos-instalações’ e obras plásticas que ultrapassam seu suporte formal. Assinado pela pesquisadora argentina Florencia Garramuño, o livro inaugura, ao lado de Poesia e escolhas afetivas, de Luciana di Leone, a coleção Entrecríticas, organizada pela escritora e professora universitária Paloma Vidal, com a proposta de analisar a literatura em constante intercâmbio com outras manifestações culturais.


Florencia Garramuño começa o livro lembrando uma instalação de Nuno Ramos de 2010. O artista plástico combina uma série de elementos, aparentemente desconexos, como árvores, música, filmes, textos escritos, questionando a própria categoria de arte. O que pode ser considerado arte? O que caracterizaria a produção contemporânea seria justamente esta mistura inusitada? “Como em Fruto estranho, de Nuno Ramos, em muitas dessas práticas trata-se, também, de questionar a especificidade de um meio ao utilizar vários meios ou suportes diferentes em que se entrecruzam música, filme, literatura, arte, cinema, fotografia e poesia”, explica.


Entre os textos que Florencia analisa está a literatura produzida pelos escritores brasileiros Luiz Ruffato e Bernardo Carvalho, mais especificamente nos livros Eles eram muitos cavalos, Estive em Lisboa e lembrei de você, de Ruffato, e Nove noites, de Bernardo Carvalho. No primeiro, Florencia mostra como o autor mescla fragmentos de orações, músicas, diálogos, cenas, extratos de um cardápio para dar forma a uma obra em permanente diálogo com outras artes, fazendo pensar sobre os limites que definiriam o que caracteriza um romance.


Já o livro de Bernardo Carvalho trabalha uma tensão indissociável entre o real e a ficção. Personagens reais se misturam com outros inventados, fotos e entrevistas integram a trama e o autor insere elementos que fazem parte de sua própria trajetória na história. O resultado é um texto que não atinge a verdade que persegue e se apresenta cheio de lacunas, deixando o leitor confuso em estar diante de uma ficção, fatos históricos ou fragmentos de um diário.


Ao analisar as obras, a pesquisadora estuda um percurso que vem dos anos 1960 e se intensifica nos dias de hoje. Além dos autores citados, ela trabalha com uma gama enorme de escritores e artistas latino-americanos. Com projeto gráfico diferenciado e curadoria cuidadosa, a Entrecríticas contará com a participação de críticos e pensadores de renome latino-americanos. A coleção visa atender estudantes universitários, acadêmicos, pesquisadores e interessados em geral numa análise crítica e comparativa das manifestações culturais atuais, sempre em contraponto com a literatura.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Florencia Garramuño nasceu na Argentina, onde vive atualmente, e leciona na Universidade de San Andrés. Sua pesquisa atual é sobre a literatura brasileira e argentina contemporâneas. Além de professora e pesquisadora, é tradutora e possui uma série de livros publicados sobre literatura e cultura do Brasil e Argentina.

Página do autor +