Capa do livro O Maravilhoso Reino de Atlântida

O Maravilhoso Reino de Atlântida

Coleção Pequenos Filósofos

Autor: emiliano di marco e massimo bacchini

Tradução: Gabriel Bogossian

Preço: R$ 19,50

48 pp. | 15,7x22 cm

ISBN: 978-85-7980-080-1

Assuntos: JUVENIL, ROCCO JOVENS LEITORES, FILOSOFIA

Selo: Rocco

Terceiro livro da coleção Pequenos Filósofos, O maravilhoso reino de Atlântida remonta a vida intelectual em Atenas, a partir da relação entre dois grandes filósofos da antiguidade, o grande mestre Sócrates e seu famoso discípulo Arístocles. Menino forte e robusto, de omoplatas largas, Arístocles era o conhecido Platão. Inteligente e curioso, ele abraça a ciência que permite responder a todas as perguntas, ou ao menos refletir sobre elas: a filosofia.

Aproximando os jovens leitores dessa busca pelo conhecimento, o autor Emiliano retrata bem, na figura do menino Platão, a questão da curiosidade que se tem na infância. O menino, que desejava tornar-se um grande sábio, procurava seguir os passos do velho Sócrates, o Ateniense, considerado pelo povo – e sugerido pelo deus Apolo – como o homem mais inteligente do mundo.

Entre longos passeios e conversas, o pupilo e seu mentor compartilhavam uma didática particular, que fugia da ideia de estudar várias datas e conceitos desconhecidos, que costumam ser facilmente esquecidos após alguns minutos. Sócrates fazia um monte de perguntas a Platão, entendendo que somente a partir da compreensão dos problemas e das dúvidas era possível aprender alguma coisa.

Sócrates era modesto – já que questionava o título que lhe era concedido de “homem mais sábio de mundo” – e mantinha um comportamento nada comum. Tinha ainda uma esposa, Xantipa, um pouco mal-humorada e nada hospitaleira, o que seria constatado por Platão e outros três filósofos que iriam procurar-lhe.

Eram três homens sérios – Crítias, Hermócrates e Timeu – que procuravam Sócrates para contar sobre algo muito importante, a respeito da fundação da cidade. Crítias teve um sonho revelador com um de seus antepassados, Sólon, o homem que escreveu as leis da cidade.

A lendária história remetia há muito tempo atrás, para além das Colunas de Hércules, sobre o maravilhoso reino perdido de Atlântida, um continente escondido maior que a Ásia e a África juntas, e sede de um vasto império. A obra trata de um assunto que sempre foi muito importante e apaixonante para os filósofos, trazendo perguntas que até hoje instigam os homens por respostas.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Emiliano Di Marco é especialista em filosofia. Desde pequeno escreve histórias para adultos e, agora,decidiu escrever histórias para pequenos leitores. Ele vive em Roma.

Página do autor +