Capa do livro Elogio da Diferença

Elogio da Diferença

O Feminino Emergente

Autor: rosiska darcy de oliveira

Preço: R$ 24,50

168 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2794-3

Assuntos: COMPORTAMENTO, ASSUNTOS CONTEMPORÂNEOS, ESTUDOS DE GÊNERO

Selo: Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 17,00

E-ISBN: 978-85-81221-60-1

Eliminar as diferenças entre os sexos seria o caminho para a verdadeira igualdade? Segundo Rosiska Darcy de Oliveira, não. Em Elogio da diferença – O feminino emergente, ela mostra que dissolver e fundir o masculino e o feminino em uma natureza humana indiferenciada é romper a própria dinâmica da vida. Clássico sobre o feminismo que retorna agora às livrarias, a obra propõe um diálogo amigável entre homens e mulheres, de forma que a diferença não signifique o predomínio deles sobre elas, mas sim uma mudança civilizatória.

Partindo da tragédia grega de Antígona, a filha de Édipo que contraria as ordens do rei de Tebas e acaba morta, Rosiska usa a primeira parte do livro para tratar do feminino como crime político, lembrando a geração de mulheres que desafiou a condenação social e rompeu com o silêncio que lhe era imposto para garantir que sua voz fosse ouvida em público. Ao mostrar a separação de mundos em pensamentos, palavras e obras, a autora deixa claro como o universo cultural e social humano se organiza em torno do eixo da dicotomia sexual, no qual cada polo é associado a um campo de atributos e qualidades que exprimem diferença e complementaridade.

Rosiska também fala das mulheres no universo dos homens, e de como essa entrada acaba gerando mal-estar, desvio e conflito. Ao tentarem ocupar o espaço masculino assimilando o modo deles de agir, sentir e se comportar, as mulheres se deparam com uma crise de identidade, pois percebem que acabaram supervalorizando as características consideradas masculinas e desprezando as femininas. Elas se descobrem presas na armadilha imposta pela dominação masculina, que usa a diferença como sinônimo de desigualdade dentro da hierarquia estabelecida por eles.

A autora ainda ressalta a importância da mudança na batalha das mulheres por igualdade: no fim da década de 80, a briga deixa de ser em nome da capacidade de se assemelhar aos homens, tornando-se uma luta pelo direito de ser diferente deles. Segundo Rosiska, o feminismo da diferença traz a promessa de uma contribuição sociocultural inédita e subversiva, uma vez que são transgredidas tanto a ordem que atribuía ao masculino definir o feminino como seu avesso, como a que autorizava a definir o feminino como a imitação do masculino.

Para Rosiska, constatar a irredutível diferença entre homens e mulheres é importante, mas não basta. É preciso identificar nessa questão o potencial do futuro, lançando um olhar inventivo sobre as relações humanas. Segundo a autora, a dívida da sociedade brasileira com as mulheres não está apenas nas diferenças salariais, na exclusão dos lugares de poder ou nas mais variadas formas de violência: esconde-se no silêncio que pesa sobre o ônus da vida privada, uma vez que a empresa e a família tornaram-se grandes rivais. Sendo assim, o maior desafio da vida moderna é encontrar soluções para o uso do tempo, buscando recriar o equilíbrio e atingir a tão sonhada harmonia.

Leia um trecho +

Comente  
Instagram

O AUTOR

Rosiska Darcy de Oliveira, escritora e ensaísta, é membro da Academia Brasileira de Letras. Seus primeiros livros, Le Féminin Ambigu e La Culture des Femmes, publicados durante o exílio, exprimem sua participação no emergente movimento internacional de mulheres. Elogio da diferença e Reengenharia do tempo dão continuidade a sua obra ensaística sobre o feminino. A dama e o unicórnio, Outono de ouro e sangue, A natureza do escorpião, Chão de terra, Baile de máscaras e Pássaro louco exprimem sua vocação de cronista. Colunista da página de Opinião de O Globo, a Rocco publica sua obra no Brasil.

Página do autor +