Capa do livro A Palavra Ausente

A Palavra Ausente

Autor: marcelo moutinho

Preço: R$ 29,50

120 pp. | 11,5x21 cm

ISBN: 978-85-325-2709-7

Assuntos: FICÇÃO – CONTO, FICÇÃO NACIONAL

Selo: Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 21,00

E-ISBN: 978-85-81220-51-2

Um ônibus que circula pela zona sul do Rio; a cabine telefônica de uma associação de moradores; o exíguo boxe de um banheiro. É em espaços assim, onde as dimensões mais corriqueiras articulam o ímpeto de microcosmos sempre surpreendentes, que se desdobram alguns dos contos de A palavra ausente, novo livro do escritor carioca Marcelo Moutinho.

Por esses cenários triviais – e, por isso mesmo, tão ardilosos – circulam personagens para os quais a perda, ou a ausência, está sempre à espreita. Aliás, o título do livro já sugere a questão que vai pairar, como uma sombra, sobre as dez histórias. Em dupla acepção semântica, pode aludir à carência da palavra, mas também expressar uma simples menção ao vocábulo “ausente”, à falta de algo, ou de alguém.

Algumas vezes, essa ausência se impõe na forma de uma falta intransponível – como em “Água”, no qual um filho dá banho no pai doente, antecipando o vazio do fim, ou “Folia”, em que um mestre-sala vê o seu cotidiano redimensionado pela partida da companheira. Noutras, surge como a aparição da ideia da morte, pela primeira vez, no universo infantil – casos de “Jogo-contra” e “Dindinha”. Há, também, a aflição da perda nas relações amorosas; a espera ainda oclusa pelo surgimento de um filho na rotina de um casal; o silêncio atordoante de um telefone que não toca.

E nem sempre a ausência se refere à distância de uma pessoa. No fio que une os contos de A palavra ausente cabe, ainda, o sentimento de perda impulsionado pelo desejo não realizado da própria literatura: caso de “Dona Sophia”, no qual a camareira de um hotel em Manaus é assaltada pelo fascínio da leitura, após o encontro com uma autora célebre.

Passando inteiramente ao largo dos lugares-comuns atrelados ao tema, o autor reforça neste novo trabalho o estilo que já havia marcado sua obra anterior, Somos todos iguais nesta noite, também publicada pela Rocco. Os pequenos dramas encenados no espaço urbano são narrados com uma prosa ao mesmo tempo lírica e concisa, que, como destacou Cíntia Moscovich na orelha do livro, realiza um “mergulho corajoso e solidário na densidade humana”. Com maestria literária, Marcelo Moutinho perscruta os meandros da ternura, em histórias que revelam: a delicadeza nunca é simples.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Marcelo Moutinho nasceu no Rio de Janeiro, em 1972. É autor dos livros A palavra ausente (Rocco, 2011), Somos todos iguais nesta noite (Rocco, 2006) e Memória dos barcos (7 Letras, 2001), e do infantil A menina que perdeu as cores (Pallas, 2013). Organizou a seleta de ensaios Canções do Rio (Casa da Palavra, 2009), além de antologias como Dicionário Amoroso da Língua Portuguesa (Casa da Palavra, 2009) e Prosas cariocas (Casa da Palavra, 2004). Seus textos foram traduzidos para a França, Alemanha e Estados Unidos, entre outros países. Escreve crônicas semanalmente no site Vida Breve.

Página do autor +

MÍDIA

A palavra ausente de Marcelo Moutinho
Resenha Diário da Manhã