Capa do livro Ter Ou Não Ter, Eis a Questão!

Ter Ou Não Ter, Eis a Questão!

A Sabedoria do Consumo

Autor: nilton bonder

Preço: R$ 18,00

128 pp. | 14x21 cm

ISBN: 978-85-325-2210-8

Assuntos: RELIGIÃO/ESPIRITUALIDADE, COMPORTAMENTO

Selo: Rocco

Disponível em e-book

Preço: R$ 12,50

E-ISBN: 978-85-81220-59-8

O mundo consumista e materialista em que vivemos é o ponto de partida para Ter ou não ter, eis a questão! , de Nilton Bonder, que chega às livrarias como parte do projeto de reedição da obra completa do rabino pela Rocco. No livro, ele fala da posse como um dilema de toda a humanidade, já que as escolhas da vida se baseiam no que temos ou deixamos de ter. Mas, em vez de demonizar o consumo, o autor se preocupa em compreendê-lo como uma necessidade das pessoas, propondo uma administração do desejo e da vontade.

Já na introdução, Bonder explica por que a famosa frase de Shakespeare – Ser ou não ser, eis a questão – foi adaptada para dar título ao livro. Como a própria existência, por definição, é a posse de um corpo, ser e ter caminham juntos: enquanto o primeiro é uma questão relativa à matéria, o segundo é a questão essencial da existência. Os problemas começam quando eles deixam de ser dois lados de uma mesma moeda para se transformar na antítese um do outro.

De forma bastante didática, o autor aborda o dilema do título em quatro esferas paralelas: física, emocional, intelectual e espiritual. Em cada uma, a frase “ter ou não ter” ganha um conceito diferente: frague (pergunta) na esfera física, shaila (ambivalência) na emocional, kashia (dúvida) na intelectual e teiku (paradoxo) na espiritual. Por fim, Bonder apresenta a Economia do Desejo, segundo a qual o querer e a identidade estão intimamente ligados. Quando o primeiro se sobrepõe à segunda, o indivíduo experimenta uma crise de valores, sentindo-se vazio. No momento em que a identidade é mais forte do que o desejo, a pessoa fica reprimida e entra em depressão.

Conforme nossa sociedade se preocupa mais com o querer ter, abusa da experiência do ser através de ter. Esse vício gera problemas como egoísmo, insegurança e incerteza da própria identidade. O ter é encarado como medida de sucesso, dando a percepção errada de que somos incluídos quando temos e excluídos quando não temos. Quando atingimos a maturidade para saber o que não ter, ganhamos qualidade de vida.

Ao falar de sentimentos como perda, traição e injustiça, ou estabelecer elos com o bem-estar individual, Nilton Bonder mostra que lidar com a espiritualidade é encarar a vida e o mundano. Somente com a junção das duas pontas, o que se possui e o que não se possui, é possível preservar o estímulo para novas conquistas e dar valor para as coisas.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Rabino da Congregação Judaica do Brasil, Nilton Bonder se destacou internacionalmente como um dos maiores intérpretes literários da antiga sabedoria judaica e também como um ativo defensor e promotor do ecumenismo religioso, atributos que fazem com que seus livros sensibilizem leitores das mais diferentes culturas e nacionalidades.

Página do autor +