Capa do livro Mondrian, o Holandês Voador

Mondrian, o Holandês Voador

Coleção Pintando o Sete

Autor: caulos

Preço: R$ 29,00

36 pp. | 21x21 cm

ISBN: 978-85-325-2186-6

Assuntos: INFANTIL, HISTÓRIA DA ARTE/TEORIA DA ARTE

Selo: Rocco Pequenos Leitores

Disponível em e-book

Preço: R$ 19,00

E-ISBN: 978-85-62500-89-3

Nascido Pieter Cornelis Mondriaan, em Amersfoort, na Holanda, ele marcou para sempre a História da Arte com um estilo próprio de pintar, assinando como Piet Mondrian. Esta figura máxima do neoplasticismo – movimento artístico de vanguarda que defendia uma total limpeza espacial para a pintura, reduzindo-a a seus elementos mais puros – é o pintor retratado da vez na coleção Pintando o Sete.

Em Mondrian, o holandês voador, terceiro livro dessa divertida e colorida coletânea que fala com delicadeza e simplicidade com os pequenos leitores, o artista mineiro Caulos conta e pinta um pouco da vida e da obra deste pintor holandês que, entrecruzando retas e poucas cores, criou telas de grande beleza, vida e movimento – que fascinam quem quer que as aprecie.

Filho de uma família calvinista extremamente religiosa, cujo pai, um pastor puritano, desejava que o filho seguisse a carreira clerical, Piet Mondrian interessou-se pela carreira artística por influência de um tio que trabalhava com pintura. A ortodoxa visão familiar, porém, via a arte como um caminho para o pecado, levando, então, como forma de resolver tal dilema, a estudar artes na Academia de Amsterdã para ser professor.

O magistério, no entanto, não satisfez Mondrian, que sentia a necessidade de libertar-se e estabelecer-se como pintor, idéia que seu pai, de antemão, desaprovava e até mesmo ele, por causa de sua rigorosa formação religiosa. Contudo, o contato com a teosofia, doutrina que, sintetizando filosofia, religião e ciência, pregava o caminho evolutivo, e a arte encaixava nessa premissa.

Quando enfim assumiu sua condição de artista, Piet Mondrian começou a pintar as paisagens da Holanda de uma maneira realista até 1910, época em que se mudou para Paris e descobriu o cubismo. Dali em diante, foi simplificando e refinando suas composições cada vez mais até atingir o estilo reducionista e a estética abstrata de muita clareza e originalidade – sua assinatura como um dos grandes mestres da pintura.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Caulos – nome artístico de Luis Carlos Coutinho – é pintor, desenhista, escritor. Nasceu em Minas Gerais e vive há muitos anos no Rio de Janeiro. Desenha todos os dias, pinta nos outros. À noite escreve, assiste a muitos filmes antigos e alguns novos. Tem uma coleção de livros de arte e gosta de ler Eça de Queirós, Raymond Chandler e Júlio Verne, todos os dias.

Página do autor +