Em primeira pessoa

Como tudo começou: O reino das vozes que não se calam

por Carolina Munhóz
27 de julho de 2014


1

“Conheci” a Sophia pelo Twitter. Sempre a achei lindíssima e quando comecei a pesquisar sobre sua carreira vi que ela era muito jovem e superbatalhadora, já tinha viajado para diversos países, feito vários trabalhos legais e, principalmente, que era um amor com os seus fãs. E foi essa qualidade que mais me conquistou e vou dizer por quê.

Existem celebridades e existem os fãs dessas celebridades. E aí existe a Sophia e os Tirus. Eu nunca vi uma relação tão linda entre fã e artista como a dela. A troca de energia que eles possuem é algo de outro mundo, e fiquei apaixonada pela criatividade deles em relação a tudo isso. Eles haviam criado um mundo mágico e agiam na internet como se vivessem nele! Quer coisa mais legal do que isso? Então, durante um tempo, fiquei lá nas redes sociais, como uma integrante do reino, sem me voluntariar. Acho que já estava guardando os segredos daquele local sagrado.

E então veio a segunda etapa. Lembro que eu estava no Skype com a escritora americana Jessica Brody, quando o meu celular tocou e não parou mais. Ao atender, ouvi meu pai desesperado/empolgado falando que o Raphael Draccon estava na novela e era para eu ligar a televisão! Desliguei o computador e, ao chegar na sala, encontrei uma pessoa desnorteada. O livro dele tinha sido lido em horário nobre, na novela Amor à Vida, do escritor Walcyr Carrasco. E mais: lido pela personagem da Sophia Abrahão. Sim! A linda atriz do reino mágico que eu curtia na internet.

oreinodasvozesquenaosecalamA primeira coisa que eu fiz? Liguei correndo para o agente dela para agradecer. Foi aí que me surpreendi ao descobrir que ele não tinha nada a ver com aquilo. O próprio autor da novela, Walcyr Carrasco, havia presenteado o Rapha com aquele momento de apoio à literatura nacional. Completando essa linda iniciativa, houve uma aparição do meu segundo livro, algumas semanas depois. Foi assim que a Sophia Abrahão falou sobre a Sophia Coldheart, a minha fada-musa inspiradora de artistas, para todo o Brasil. Bizarro, não é? Surtamos mais um pouquinho em casa e curtimos esse momento tão lindo. Foi muito legal ver tantos livros e autores incríveis serem homenageados nessa novela. Obrigada novamente, Walcyr!

Chegou então a terceira etapa, que veio para fechar. Um dia estávamos na casa de uma amiga, comendo pizza e vendo televisão com o agente da Sophia. Conversa vai, conversa vem e ele nos contou um pouco do que estavam planejando para os futuros shows da Sophia. Acabou que, em uma conversa dele com o Rapha, rolou o papo de que o mundo mágico dela daria um ótimo livro, e logo viraram para mim e me perguntaram se eu toparia entrar em um projeto assim.

Momento básico de reflexão por alguns segundos e logo a resposta: poxa, claro! Dar vida a um reino do qual eu já estava me sentindo parte seria incrível. Na época, eu já havia assinado o contrato para publicação de uma trilogia com a Editora Rocco e estava escrevendo o primeiro livro. Como a Sophia também ama Harry Potter e Jogos Vorazes, era óbvio que já tínhamos a editora perfeita, então decidi que iria dar uma pausa e embarcaria nessa com ela.

E O reino das vozes que não se calam começou a tomar forma. Logo começou a nossa jornada para dar a vida a essa nova obra. No mês que vem vocês poderão conhecer e curtir esse reino incrivelmente mágico. Esperamos que embarquem nessa aventura e que, ao acordarem, sintam-se em um lugar onde todos são capazes de aceitá-los.

Bem-vindos, novos membros. Estamos muito felizes com a chegada de vocês.

Leia trecho exclusivo de O Reino das vozes que não se calam.

O romance já está disponível para pré-venda no formato impresso e digital (e-book). Saiba onde comprar o seu exemplar!

 

carol munhoz_pequenaCarolina Munhóz

Carolina Munhóz é escritora, jornalista e integrante do maior site de Harry Potter do Brasil, o Potterish, e do podcast RapaduraCast. Eleita a melhor escritora pelo Prêmio Jovem Brasileiro de 2011, lança este mês, agosto, pelo selo Fantástica Rocco, O Reino das vozes que não se calam, escrito com Sophia Abrahão.

 

 

Tags1: , , , ,

Comentários sobre "Como tudo começou: O reino das vozes que não se calam"

  1. Pingback: Hangout sobre literatura Fantástica | Rocco

  2. Pingback: Por que é tão difícil nos aceitarmos fisicamente? | Rocco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *