Vem aí mais uma edição da Flip

Luciana Hidalgo, Jacques Fux e Deborah Levy são os destaques da Rocco
30 de maio de 2017


Entre os dias 26 e 30 de julho a cidade de Paraty, no Rio de Janeiro, recebe mais uma edição da Flip (Festa literária internacional da Paraty). Esse ano, o grande homenageado será Lima Barreto e teremos três de nossos autores debatendo nas principais mesas da programação oficial. Luciana Hidalgo (O passeador), Jacques Fux (Brochadas) e Deborah Levy (Nadando de volta para casa).

Confira a programação completa e os assuntos que serão abordados:

quarta-feira

19h15 Mesa 1 – Sessão de abertura – Lima Barreto: triste visionário
Vida e obra de Lima Barreto são apresentadas nesta aula ilustrada, comparando o Brasil que viu em sua época e o futuro que previa, com leituras e imagens inéditas de uma nova biografia.
Lázaro Ramos
Lilia Schwarcz
dir.: Felipe Hirsch

Mesa móvel: Fruto estranho
Seis autores realizam intervenções poéticas por meio de formas híbridas –poesia, fotografia, vídeo, performance, teatro – com duração entre 10 a 15 minutos, distribuídas pela programação.
Adelaide Ivánova
André Vallias
Grace Passô
Josely Vianna Baptista
Prisca Agustoni
Ricardo Aleixo

quinta-feira

10h território Flip | Flipinha – Mesa Zé Kleber: Aldeia
A convivência e a fruição do território que vêm de sabedorias ancestrais são os principais temas desse diálogo entre três pensadores líderes de suas comunidades – dois indígenas e uma quilombola – que têm cada vez mais ressonância em todo o país.
Álvaro Tukano
Laura Maria dos Santos
Ivanilde Kerexu Pereira

12h Mesa 2: Arqueologia de um autor
Entre a paixão e a minúcia, recupera-se a obra dispersa de um autor à margem e se define o lugar de Lima Barreto entre os clássicos e no cânone afro-brasileiro, nesta conversa que soma história e crítica literária.
Beatriz Resende
Edimilson de Almeida Pereira
Felipe Botelho Corrêa

15h Mesa 3: Pontos de fuga
[Fruto Estranho: Josely Vianna Baptista]
Três premiadas vozes da novíssima literatura em língua portuguesa falam de suas influências, técnicas e experiências: como lidam com a tradição e a renovam, seus modelos e perspectivas.
Carol Rodrigues
Djaimilia Pereira de Almeida
Natalia Borges Polesso

17h15 Mesa 4: Fuks & Fux
A autoficção é um dos eixos deste diálogo, bem como as parcerias e rivalidades na história da literatura. Como pano de fundo, imigração, resistência, vanguarda francesa, matemática.
Julián Fuks
Jacques Fux

19h15 Mesa 5: Odi et amo
[Fruto Estranho: Grace Passô]
A tradição greco-latina, seus mitos, poesia e narrativas, a Bíblia grega, a literatura e a cultura medieval: nesta conversa entre dois grandes tradutores do latim e do grego, tem-se uma breve história das ideias e dos sentimentos do Ocidente.
Frederico Lourenço
Guilherme Gontijo

21h30 Mesa 6: Em nome da mãe
Histórias de guerras e de sobrevivência, de invenções e reconstruções artísticas a partir do ponto de vista feminino, no encontro entre uma brasileira filha de uma sobrevivente de Auschwitz e de uma ruandesa tutsi que perdeu a família no genocídio e é influenciada pela literatura do holocausto.
Noemi Jaffe
Scholastique Mukasonga

sexta-feira

10h território Flip | Flipinha – A pele que habito
As identidades e as relações de cor nos países da lusofonia são o principal tema desta conversa, que parte da trajetória artística de um ator de sucesso no Brasil e uma jornalista portuguesa autora de premiado livro-documentário sobre o racismo em português.
Joana Gorjão Henriques
Lázaro Ramos

12h Mesa 7: Moderno antes dos modernistas
A singularidade da linguagem de Lima Barreto é evidenciada a partir de sua aversão ao bacharelesco e da visão da arte como militância, na sua escrita para jornal e nos diários do hospício. No debate, são lembrados autores que foram seus contemporâneos e autores posteriores sob sua influência.
Antonio Arnoni Prado
Luciana Hidalgo
15h Mesa 8: Subúrbio
[Fruto Estranho: Prisca Agustoni]
Uma visita aos lugares por onde Lima Barreto passou no Rio de Janeiro, com seus personagens de crônicas, contos e romances, seguindo a linha do trem e arrabaldes de ontem e hoje, a etnografia e a poética das ruas, a partir de dois olhares: o de uma especialista em sua obra e em literatura contemporânea e o de um historiador que entende de Ifá, encantados, samba e cultura popular carioca.
Beatriz Resende
Luiz Antonio Simas

17h15 Mesa 9: Na contracorrente
A resistência feminina e os projetos realizados em campos periféricos da cultura e da ciência: neste encontro-depoimento, tem-se a trajetória de uma dos maiores nomes da arqueologia no mundo, a partir do Piauí, e de uma espanhola presidenta de uma instituição que tem como bandeiras a literatura em língua portuguesa, os direitos humanos e o meio-ambiente.
Niéde Guidon
Pilar del Río

19h15 Mesa 10: A contrapelo
[Fruto Estranho: Ricardo Aleixo]
Uma escritora experimental chilena referência na crítica feminista e um refinado documentarista brasileiro, que contou a trajetória do poeta Wally Salomão e do pintor Leonilson, conversam sobre linguagens na fronteira e resistência artística.
Carlos Nader
Diamela Eltit

21h30 Mesa 11: Por que escrevo
Um jornalista que cobriu conflitos na África e que, nas horas vagas, praticava obsessivamente o surf e fez dessa experiência um premiado livro de memórias se encontra com uma escritora nascida na África do Sul do apartheid: uma conversa sobre as diferentes motivações de um escritor e a entrega ao ofício.
Deborah Levy
William Finnegan

sábado

10h território Flip | Flipinha – VOCO
Improvisações vocais entremeadas a poemas com interação do público. Sem se dar conta, as pessoas passam por uma série de procedimentos vocais extraídos tanto do contexto da música e da poesia experimentais quanto das práticas ritualísticas africanas e ameríndias. Efeitos eletrônicos, como os de pedais, são usados para a diversão das crianças.
Ricardo Aleixo

12h Mesa 12: Foras de série
Personagens singulares da história e da literatura brasileiras, como ex-escravos que triunfaram e mulheres revolucionárias no Brasil do século 19, permeiam este debate sobre vozes dissonantes e as técnicas de pesquisa e escrita que reúne uma romancista e um historiador da escravidão – a invenção da liberdade até chegar ao período do pós-abolição de Lima Barreto.
Ana Miranda
João José Reis

15h Mesa 13: Kanguei no Maiki – Peguei no microfone
[Fruto Estranho: Adelaide Ivánova]
O ativismo e a literatura — ao gosto de Lima Barreto —, a resistência e a liberdade: eis o pano de fundo da conversa entre um rapper que fez um diário da prisão em Angola quando foi preso com livros considerados subversivos e uma escritora que, entre indas e vindas ao exterior, se dedicou à educação popular no sertão durante a ditadura.
Luaty Beirão
Maria Valéria Rezende

17h15 Mesa 14: Mar de histórias
Borges é o ponto comum entre os dois autores, um da Islândia e outro do Rio, que conversam sobre contos de fada, mitologias, narrativas antigas que viajam e surrealismo.
Alberto Mussa
Sjón
19h15 Mesa 15: Trótski e os trópicos
[Fruto Estranho: André Vallias]
Os limites da ficção e da não ficção, os protagonistas e os coadjuvantes, o local e o global são os temas desta conversa entre um escritor viajante francês e uma jornalista que, baseada na Argentina, escreve para toda a América Latina.
Leila Guerriero
Patrick Deville

21h30 Mesa 16: O grande romance americano
Dois autores de uma mesma editora independente venceram, em anos sucessivos, o mais prestigioso prêmio de língua inglesa, o Man Booker Prize (2015 e 2016). Esta conversa revelará em que medida renovam a tradição a partir do seus pontos de vista particulares, a de um americano negro e a de um jamaicano negro que migrou para os EUA, onde ambos lecionam escrita criativa.
Marlon James
Paul Beatty

domingo

10h território Flip | Flipinha – Ler o mundo
Aprender a olhar e escutar pelos livros infantis: duas escritoras brasileiras e um poeta e escritor negro conversam sobre leitura e olhares que lançam ao mundo e levam a suas obras para esse público.
Ana Miranda
Edimilson de Almeida Pereira
Maria Valéria Rezende

12h Mesa 17: Amadas
Ao refazer sua trajetória com imagens e leituras, Conceição Evaristo, em conversa com Ana Maria Gonçalves, presta um tributo a outras vozes femininas africanas e da diáspora negra, como Angela Davis, Audre Lorde, Carolina de Jesus, Josefina Herrera, Nina Simone, Noêmia de Sousa, Odete Semedo, Paulina Chiziane e Toni Morrison.
Ana Maria Gonçalves
Conceição Evaristo

15h Mesa 18: Livro de cabeceira
Na sessão de despedida da Flip, conduzida tradicionalmente por Liz Calder, autores convidados leem trechos de seus livros prediletos.

 

TAGS: Flip 2017, programação,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *