Universo expandido

Por Guilherme Kroll
28 de setembro de 2015


Halo

A ficção científica fascina e entretém, colocando no imaginário do leitor a ciência e a fantasia no mesmo contexto. O fã de sci-fi quer que a ciência, ainda que a ciência do impossível, seja uma porta de entrada para mundos incríveis, com utopias e distopias, viagens intergaláticas, batalhas de espaçonaves e muitas aventuras.

Em Halo, a porta de entrada para a fantasia científica são os Forerunners e suas relíquias. Para quem ainda não é iniciado, os Forerunners são uma raça antiga, longínqua, já extinta, que desapareceu 100 mil anos no passado ao salvar a galáxia dos Flood. No processo, criaram os Halo, uma arma de destruição em massa.

As relíquias Forerunners ficaram à deriva no espaço por anos, até serem reunidas pelos alienígenas do Covenant, que passam a utilizá-las e cultuar os Forerunners como deuses.  A humanidade do século XXVI, no seu inexorável desejo de expansão, desenvolve uma tecnologia de viajar mais rápido que a luz e passa a colonizar outros mundos. É aí que acontece o choque entre a raça humana e o Covenant, pois a liderança Covenant acha que os humanos são uma afronta aos Forerunners  e tem início uma guerra santa, explorada na trilogia de jogos de tiro em primeira pessoa de Halo e todo o seu universo expandido.

halo

O livro mergulha fundo na relação dos San’Shyuum e dos Sangheili, humanizando os principais inimigos da humanidade. O leitor fica envolvido na trama, querendo saber como aquilo tudo culminará no que estamos acostumados a ver nos jogos.

Mas quem não é um jogador habitual de Halo vai também encontrar uma obra de ficção científica maiúscula, que lida com esse imaginário fantástico supracitado, seres exoterrestres, explosões, guerras, combates, e personagens bem construídos envolvidos em um mundo que não criaram.

Por tudo isso, O círculo quebrado é uma leitura essencial, tanto para os fãs de Halo, quanto os fãs de sci-fi.

Guilherme Kroll já fez de tudo que se pode imaginar no mercado editorial, mas gosta mesmo de nerdices como consumir o universo expandido de Halo.

TAGS: artigo, Broken Circle, Guilherme Kroll, Halo,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *