Um pouco de Clarice para o dia das mães

9 de maio de 2021


Capa de Todas as cartasTodas as cartas reúne correspondências escritas por Clarice Lispector ao longo de sua vida. A seleção de cartas, das quais cerca de meia centena é inédita para o público, configura um acervo fundamental para compreender a trajetória literária da escritora. O livro foi lançado em 2020, ano do centenário de Clarice.

Entre os escritos que compõem o livro estão 13 cartas endereçadas a Paulo, seu filho. Nas correspondências, enviadas quando Paulo, na época com 16 anos, participava de um intercâmbio estudantil nos Estados Unidos, é possível perceber a bonita relação entre os dois, permeada de afeto, orgulho e complacência.

Nesse dia das mães, queremos ressaltar àquelas que, assim como Clarice, amam incondicionalmente.

Leia abaixo alguns trechos das cartas:

 

“Meu adorado filho,

Ontem, quando você embarcou, custei depois a pegar no sono. Não era por preocupação, mas acredite que qualquer mãe digna desse nome me entenderá. Há pouco tempo, Gafanhoto, você subia pelas minhas pernas para ficar no meu colo. É com orgulho ver você alto, fisicamente feito, e independente sobretudo.

Conte-se tudo, por favor (Esta carta só poderá seguir na segunda-feira, amanhã). Como é sua família de empréstimo? Quantas pessoas estão na casa? Quantos cinemas tem a cidadezinha?

Hoje, dia seguinte de sua partida, domingo, ocupei-me o tempo todo para disfarçar a saudade. Acabei de copiar o resto do livro, e certamente amanhã mesmo telefone para a Editora Sabiá pedindo que mandem buscar. Se o livro é bom? Eu acho ele detestável e malfeito, mas as pessoas que o leram acham-no bom.

(…)”

***

“Pauluquinha,

Foi tão bom ouvir tua voz pelo telefone, que valeu plenamente a pena. Logo no dia seguinte recebi carta tua, e é sempre uma alegria. Meu amorzinho, meu pauluca. Você tem crescido aí?

(…)”

***

“Meu filho adorado, meu gafanhoto, se você soubesse a façta que me faz! Todos os dias penso em você. Lamento você ter ficado sem carta durante 2 semanas. Procurarei fazer com que isto não aconteça mais. (…)

Que filmes tem visto? A primavera já está se manifestando aí? Aqui fez calor, as praias cheias, mas se sente que o verão está acabano. Você está mais habituado à comida americana? E na escola fez algum amigo? Que tal o the american way of life? Meu gafanhoto, minha bênção te acompanha sempre.

Tenha saúde, seja feliz e contente. Um beijo na testa da mamãe que se alegra por ser tua

Mãe”

TAGS: cartas, Clarice 100 anos, Clarice Lispector, Dia das mães, literatura, LIvros,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *