Soppy

Os pequenos detalhes da produção de um e-book ilustrado - Por: Guilherme Peres
23 de junho de 2016


Soppy

Um dos grandes diferenciais do livro digital em relação ao impresso é a sua maleabilidade. Os parágrafos se ajustam de acordo com o dispositivo de leitura, que é programado para oferecer ao leitor uma série de opções para customizar o modo como ele gostaria de se aventurar pelo livro. Dessa forma, as suas preferências informam ao dispositivo a forma como ele irá apresentar o texto — letras maiores, tipografias diferentes, cor de fundo escura… Seja qual for a sua escolha, o texto irá se adaptar a ela. É uma característica fantástica, mas ao mesmo tempo levanta a questão: o que acontece com o e-book de um título que possui a linguagem visual ainda mais forte do que a textual?

Objetivamente, a resposta é bem simples: layout fixo!

Os livros digitais podem ser estruturados de duas maneiras distintas. Uma delas é o e-book de layout fluido, cuja principal característica acabamos de discutir no parágrafo anterior. Ele é maleável — ou seja, fluido — e, portanto, é excelente para dispor o conteúdo da maioria dos livros que consumimos, constituídos de palavras e mais palavras e outras palavras e… ainda mais palavras.

O layout fixo representa uma outra maneira de estruturação, e, como o nome diz, necessita que o layout do livro digital fique sempre estabilizado nas mesmas proporções. Independentemente do dispositivo utilizado, queremos ter certeza de que o conteúdo adquirido será esteticamente o mesmo para todos. É uma estrutura superimportante para livros em que o texto tem uma relação estrita com a imagem — livros infantis, revistas ou, claro, histórias em quadrinhos. Como Soppy!

Na prática, a questão do layout fixo deixa de ser tão simples assim, mas todo e-book tem suas particularidades e traz desafios distintos. Descobri-los e resolvê-los é uma das partes mais divertidas do nosso trabalho. Com Soppy, o maior desafio foi decidir a melhor forma de dispor as tirinhas fofas da Philippa Rice para o leitor. Como o formato dos tablets — dispositivo mais adequado para a leitura de e-books em layout fixo; falaremos mais sobre isso adiante — é retangular, podemos organizar as páginas de dois modos.

● Modo retrato. É o tablet em sua posição vertical. Dessa forma, o dispositivo se assemelha ao formato do livro impresso (o formato de Soppy é 13,5×19 cm) e, assim, cada página do livro digital basicamente equivale à mesma página do livro físico.

● Modo paisagem. É o tablet deitado em sua posição horizontal. Não é incomum histórias em quadrinhos digitais serem dispostas dessa forma, o que permite que os tablets mostrem duas páginas ao mesmo tempo, simulando o formato de um livro aberto.

soppy-ipad

Ambos têm vantagens e desvantagens, mas acabamos decidindo que, para Soppy, o modo retrato seria a melhor escolha. Como as tirinhas muitas vezes não têm continuidade, faz mais sentido dar destaque às páginas individualmente do que mantê-las lado a lado. Além disso, esse destaque também realça os traços de Philippa Rice. Seus desenhos são simples, mas repletos de movimento. As tirinhas ganham vida quando conseguimos observar de perto todos os seus detalhes, e o minimalismo de suas cores salta aos olhos.

Por outro lado, em algumas ilustrações os desenhos ocupam duas páginas, e, nesse caso, o modo paisagem seria uma ótima opção. Tivemos que abrir mão disso, mas os benefícios do modo retrato sobressaem. As ilustrações em página dupla são raras ao longo do livro e, mesmo assim, enquanto testávamos o e-book, descobrimos que elas possuem uma ótima leitura em sequência. Ou seja, a experiência do leitor não é prejudicada e a obra se mantém fiel à proposta da autora no livro impresso. Todo mundo sai ganhando.

Até quem não tem um tablet! É sempre importante nos certificarmos de que um e-book poderá ser lido pelo maior número de pessoas, nos mais diversos dispositivos. Nos dispositivos que utilizam a tecnologia do e-ink (a tela se assemelha ao papel — Kindle, Kobo e Lev são alguns exemplos), o e-book em layout fixo não é reconhecido. Criamos, portanto, uma versão em layout fluido, disponível nas lojas online da Saraiva e da Travessa. Em vez de ser composto por texto, o arquivo é composto quase que inteiramente por uma sequência de imagens e permite que a obra seja lida em qualquer aparelho. Os que utilizam e-ink exibirão as ilustrações em preto e branco, mas a doçura das pequenas histórias de Soppy se mantém intacta.

Trabalhar com e-books é justamente exercer esse objetivo: proporcionar uma experiência repleta das praticidades e particularidades do meio, mas nunca deixando de preservar a experiência que os autores procuram passar com suas histórias.

Arte_4

Guilherme Peres é assistente de produção digital na Editora Rocco.

TAGS: e-book, ebook, HQ, Livro, Livro Ilustrado, Soppy,

Comentários sobre "Soppy"

  1. Superbacana esse contraponto entre o livro impresso e o digital (e-book). A preocupação em proporcionar uma experiência encantadora para o leitor, compreendendo que estímulos diferentes são exercitados nas diferentes mídias, (papel e eletrônica), sem que um não interfira no outro independentemente da escolha do leitor, assegurado o momento de prazer proporcionado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *