Rocco publicará coletânea de Donald Barthelme

Quarenta Contos chega ainda neste semestre às livrarias
4 de fevereiro de 2019


 

A Rocco publica ainda neste primeiro semestre de 2019 a coletânea Quarenta contos do norte-americano Donald Barthelme. As histórias abordam um amplo leque de assuntos – de Paul Klee a Goethe, de relacionamentos amorosos a divórcio -, retratados pelo olhar sensível e inusitado de Barthelme. Revelado nos anos 1960 nas páginas da revista The New Yorker, Donald Barthelme (1931–1989) se tornou nos anos seguintes um dos expoentes do pós-modernismo. Ganhador do National Book Award e autor de livros de ensaios, contos e romances, a obra de Barthelme marcou profundamente a cultura americana nas últimas décadas do século XX. Para além dos rótulos críticos, seus livros continuam hoje a repercutir na obra de autores do mundo inteiro que o reconhecem como um desses raros escritores capazes de trazer algo de novo à velha arte de contar histórias. Barthelme marcou uma geração de romancistas – Salman Rusdie, David Foster Wallace, Dave Eggers, entre outros, estão entre seus fãs. No Brasil, a Rocco publicou o romance O pai morto e lança em 2019 esta coletânea de contos, a maioria deles publicada originalmente na New Yorker. Ambos os livros de Barthelme têm tradução de Daniel Pellizzari.

“A arte de Barthelme é feita principalmente de surpresas, disparando da sátira ao lirismo à aparente banalidade num único parágrafo.” – The New York Times

“Não há ninguém como ele.” – Salman Rushdie

“Sua obra é irreverente, sutil, bela e mais próxima da poesia (em sua perfeita ambivalência no que diz respeito à narrativa) do que quase qualquer outra prosa que tenhamos” – Dave Eggers                                                                                                                                                                                                                                           “Barthelmismo – ficções cuidadosamente compostas e confortavelmente além do tempo, alfinetadas literárias, receitas intrigantes, metáforas magistralmente esticadas, programas de televisão que nunca existiram, sonhos estranhamente iluminados, arengas elegantes, exclamações refinadas, e mais, muito mais.” – Thomas Pynchon

TAGS: Donald Barthelme, Quarenta contos,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *