Entreviste Anne Rice [resultado]

Envie sua pergunta para a Rainha dos Vampiros
27 de agosto de 2014


OLYMPUS DIGITAL CAMERA Rainha do romance gótico sobrenatural, com mais de 100 milhões de livros vendidos pelo mundo, Anne Rice apresenta este mês no Brasil o seu novo romance, Os lobos da invernia, sequência de A dádiva do lobo. O lançamento vem acompanhado pela venda dos direitos de adaptação para o cinema de todos os livros que compõem a série Crônicas Vampirescas.

Para celebrar tanta boa notícia, ninguém menos do que a própria Rainha dos Vampiros responderá oito perguntas de fãs brasileiros sobre sua obra e projetos em andamento. Envie suas questões nos comentários deste post até as 10h da próxima quarta-feira, 3 de setembro. Nosso time selecionará as melhores e os oito sortudos ganharão ainda um livro de Rice, escolhido pelo próprio leitor. Cada fã poderá enviar quantas perguntas quiser.

[Resultado] Confira as perguntas selecionadas:
Nota da Equipe Rocco: recebemos tantas boas perguntas que selecionamos 10 vencedores.
Jessica Caroline: Você escreveu sobre uma criança vampira que queria crescer, sobre um demônio que queria viver, sentir e amar e um vampiro que chegou a trocar de corpo para sentir novamente o que é ser humano . Pode-se dizer afinal, que seus personagens mitológicos têm tantos anseios e angústias quanto um ser humano? Que eles são inspirados nos nossos próprios paradigmas existenciais?
Breno Machado: Seu livro Chore Para o Céu é bastante visceral. Existe uma grande quantidade de introspecção, de melancolia ao longo de uma escrita lindamente poética e intensa (é, aliás, meu livro favorito de toda a vida). O quanto daquele tom obscuro, melancólico existe em você para que histórias assim nasçam? O quanto de Tonio, de Guido, de Christina, de Marianna e de outros personagens marcantes desse romance existe em você? Você pode falar um pouco sobre o processo de escrita, de pesquisa do livro?
Guilherme Bello: Anne, li  Entrevista com o vampiro muito jovem, justamente quando estava entrando na puberdade e ele me marcou de uma forma que nenhum outro livro conseguiu até hoje, pois os personagens e a interação entre eles eram livres e isentos de rótulos, o que me ajudou a aceitar minha sexualidade e achar alguma identificação que fosse do que sentia e dos meus desejos “homoafetivos” (uso aqui um rótulo, mas apenas para ser melhor compreendido). Quando você escreveu o livro ou posteriormente, quando permitiu a adaptação para o cinema, você tinha intenção de agradar e atender a esse público que até então era extremamente negligenciado? E você tinha queria ou sabia que iria ajudar diversos jovens que tinham conflitos em sua afetividade e sexualidade, a aceitar mais naturalmente suas naturezas e seus desejos?
Gustavo Fagundes: Anne, após relutar em escrever sobre vampiros durante anos, o que a fez voltar ao grande Lestat?
Andreia Pontes: Anne, você mudou a forma como os vampiros eram vistos, deixando-os humanizados, tornando-os apaixonantes e cheios de sentimentos expansivos. Você tem uma legião de fãs apaixonados pelo vampiro Lestat, sua criação. Como foi criar um personagem tão apaixonadamente controverso que mudou toda uma geração de fãs de vampiros? De onde veio essa inspiração?
Diana Godoy: Lestat é o seu personagem mais icônico. Como ele se apresentaria ao mundo nesta era tecnológica dominada por redes sociais e reality shows?
Leticia Ramos de Mello Oliveira: Em seus livros, seja os das Crônicas Vampirescas quanto os não fazem parte dessa série, você aborda as culturas de diversas religiões sem que se tornem uma caricatura preconceituosa. Até mesmo quando você escreveu os dois livros de Cristo Senhor, você fez uma pesquisa muito extensa sobre o evangelho e as descobertas históricas ligadas a vida de Jesus. Qual é a importância dessa pesquisa em seu trabalho e como ela é feita? O fato de você ter sido ateia por muito tempo a ajudou a mostrar essas religiões sem ser influenciada por suas crenças?
Tatiane Nunes de Araújo: Anne, você já disse que sua criação preferida é o Lestat. Agora que ele está voltando para os fãs, o que devemos esperar dele: um vampiro mais experiente e antigo, que busca a paz da reclusão ao lado dos Ancestrais, ou um Lestat pronto a conquistar novamente o mundo à procura de novas experiências para conquistar os leitores?
Listas Literárias: A literatura muitas vezes é direcionada por “modismos”, no entanto, os vampiros assim como na ficção parecem imortais, e mantem-se sempre como uma criatura de interesse dos leitores. Seria por causa da própria imortalidade e do desejo secreto (ou não tão secreto) de nós, meros humanos, também desejarmos a imortalidade?
Danielle Demarchi: Anne, muito leitores foram apresentados ao mundo dos vampiros na literatura por meio das “Crônicas Vampirescas” e, por conta disso, têm presentes em suas definições de vampiros as características dos personagens criados por você. Como você encara a “responsabilidade” por essa definição e a polêmica que isso pode gerar com outros escritores que definem os vampiros de forma bem diferente da sua? Quais foram suas inspirações para definir as características dos vampiros que aparecem em seus livros?

As Crônicas Vampirescas

Inauguradas em 1976 com Entrevista com o vampiro, também estreia da autora norte-americana, as Crônicas Vampirescas transformaram Rice em fenômeno literário mundial ao apresentar o universo macabro, e ao mesmo tempo sedutor, do vampiro Lestat. O livro, que chegou ao público brasileiro pela tradução de Clarice Lispector, ganhou em 1994 uma bem-sucedida adaptação para o cinema com Tom Cruise e Brad Pitt. Oito anos depois, A Rainha dos condenados também foi transformado em filme. Em entrevista concedida ao jornal Folha de São Paulo em 2011, Anne Rice falou sobre a possibilidade de ver seu mais conhecido personagem nos cinema novamente: “Há muito interesse em Lestat. Querem vê-lo nas telas de novo. E eu também”, afirmou.

Além dos 12 títulos já publicados, o novo acordo com a Universal Pictures e a Imagine Entertainment contempla o inédito Prince Lestat – que será lançado pela Rocco em 2015 –, todos os novos volumes que possam vir a ser escritos e um roteiro de seu filho, Christopher Rice, para A história do ladrão de corpos.

 

TAGS: A dádiva do lobo, Anne Rice, Clarice Lispector, concurso, Crônicas Vampirescas, Entrevista com o vampiro, Lestat, lobisomem, Os lobos da invernia, vampiro,

Comentários sobre "Entreviste Anne Rice [resultado]"

  1. Anne, o que achas desta onda Grimdark na fantasia, você acha que seus livro influenciaram essa geração de autores que faz algo mais sombrio e realista em suas histórias fantásticas e de terror?

  2. “Entrevista com o Vampiro” foi traduzida por uma autora que é considerada uma lenda da literatura brasileira e é conhecida em todo mundo: Clarisse Lispector. Quando você soube que ela traduziu seu primeiro livro, você leu alguma obra dela? Quais outros autores brasileiros você também já leu? Alguns deles também inspiraram seus livros?

  3. Você passou um tempo sem publicar um livro sobre seus vampiros, e está voltando agora com ninguém menos que Lestat, o que vez com que voltasse a escrever um novo livro das crônicas e o que podemos esperar?

  4. os direitos de adaptação de seus livros foram vendidos recentemente, e pelo pouco que foi divulgado podemos esperar por uma nova readaptação de Entrevista com o Vampiro e de A rainha dos condenados (filme que surgiu da adaptação dos livros O Vampiro Lestat e Rainha dos condenados), o primeiro foi um sucesso de critica e com os fãs, o segundo nem tanto. Você tem alguma ideia ou expectativa do que poderemos conferir com os novos filmes?

    • Obs.: Vale lembrar que o segundo filme não foi muito divulgado e teve o imprevisto da morte da atriz… Apesar de amar Tom Cruise desde sempre, vi melhor Lestat com o ator que o interpretou no segundo filme…

  5. Parte de seus livros nos apresentaram ao mundo dos vampiros ao à família Mayfair, agora estamos sendo apresentados aos seus lobos, como surgiu a ideia dessa nova série e como foi o processo de criação dos personagens?

  6. Me lembro que “A rainha dos condenados”, segundo livro das Crônicas Vampirescas, também foi adaptado para um filme em 2002, sem ter o mesmo sucesso de “Entrevista com o vampiro” e até mesmo você não gostou do filme. Por isso pergunto: Qual é a sua relação com os produtores da adaptação de um livro para o cinema durante sua produção? Essa relação acaba sendo mais de amor ou de ódio?

  7. Anne, você escreveu a trilogia da Bela Adormecida sob um pseudônimo na década de 80, e, numa entrevista, você disse que queria fazer “a Disneylândia do S&M”. Nessa trilogia, você explora corajosamente a sexualidade e o erotismo num mundo imaginário onde não existem as clássicas imposições da heterossexualidade – ou seja: homens fazem sexo com homens, mulheres com mulheres, homens com mulheres: tudo com naturalidade. Você acha que explorar as diversas naturezas sexuais humanas na arte (principalmente na Literatura) é um método que ajude na diminuição da homofobia e entendimento sobre a diversidade sexual existente no mundo?

  8. Anne, o que eu mais gosto sobre seus livros é como as histórias tomam conta de mim me causando uma obsessão instantânea. Eu costumo dizer que eles são maravilhosamente doentios. Minha pergunta é: você já se assustou ou, ao menos se surpreendeu, com o que passava na sua mente enquanto os escrevia?

  9. Seu livro “Chore Para o Céu” é um livro bastante visceral. Existe uma grande quantidade de introspecção, de melancolia ao longo de uma escrita lindamente poética e intensa (é, aliás, meu livro favorito de toda a vida). O quanto daquele tom obscuro, melancólico existe em você para que histórias assim nasçam? O quanto de Tonio, de Guido, de Christina, de Marianna e outros personagens marcantes desse romance existe em você? Você pode falar um pouco sobre o processo de escrita, de pesquisa do livro?

  10. Anne Rice, adoraria saber, se uma escritora tão talentosissima como você é, se durante as criações de suas obras, as vezes te dá algum branco, ou um bloqueio? E e sim de onde você tira inspiração ou uma solução par dupera-los?…
    By:Grande Fã :*

  11. Anne Rice, adoraria saber, se uma escritora tão talentosissima como você é, se durante as criações de suas obras, as vezes te dá algum branco, ou um bloqueio? E e sim de onde você tira inspiração ou uma solução para supera-los?…
    By:Grande Fã :*

  12. Você já trabalhou com diversas criaturas sobrenaturais: múmias, bruxas, vampiros, lobisomens, anjos – até a figura máxima do sobrenatural cristão, o próprio Jesus Cristo. Você tem desejo de explorar ainda algum outro universo fantástico? Podemos esperar ainda um trabalho seu com outra criatura mágica?

  13. Anne, os direitos sobre seus livros foram comprados pela Universal. Aguardamos filmes sobre Lestat, mas pergunto: você acha que seria possível um seriado baseado nas Crônicas Vampirescas, tal qual True Blood em relação à obra da Charlaine Harris?

  14. Diferentemente da maioria dos escritores, a cana ano você se torna mais ativa na produção de livros. Foram várias publicações sobre diferentes universos fantásticos nos últimos anos.
    Como é a sua rotina de escritora? Qual a fórmula para se manter tão produtiva?

  15. O Brasil é um país rico em lendas, com figuras místicas e folclóricas como o Saci-pererê, Curupira ou Mula sem Cabeça, todos criados pelo imaginário do povo brasileiro. Gostaria então de saber se você já ouviu falar em algum desses personagens e qual sua dica para que escritores brasileiros consigam explorar melhor essas lendas como já é feito com vampiros ou lobisomens.

  16. Anne, li “entrevista com o vampiro” muito jovem, justamente quando estava entrando na puberdade e ele me marcou de uma forma que nenhum outro livro conseguiu até hoje, pois os personagens e a interação entre eles eram livres e isentos de rótulos, o que me ajudou a aceitar minha sexualidade e achar alguma identificação que fosse do que sentia e dos meus desejos “homoafetivos” (uso aqui um rótulo, mas apenas para ser melhor compreendido). Quando você escreveu o livro ou posteriormente, quando permitiu a adaptação para o cinema, você tinha intenção de agradar e atender a esse público que até então era extremamente negligenciado? E você tinha queria ou sabia que iria ajudar diversos jovens que tinham conflitos em sua afetividade e sexualidade, a aceitar mais naturalmente suas naturezas e seus desejos?

  17. Anne, ao meu ver, até hoje, não há melhor adaptação em filmes de vampiro quanto o Entrevista com o Vampiro. Qual sua opinião sobre a fidelidade do filme e, você saberia dizer se existem planos cinematográficos para uma adaptação de outro livro seu?

  18. Com relação a continuações de suas várias séries, existem planos para dar prosseguimento a De Amor e Maldade, Os Lobos da Invernia e Cristo Senhor? Também há possibilidade de sequencias para As Bruxas Mayfair e A Múmia?

  19. “Anne, seu livro Entrevista Com O Vampiro mostrou a busca de um vampiro por provas da existência de Deus. Nos livros seguintes, há mais figuras religiosas. Como você, particularmente, lida atualmente com essa ideia religiosa e como explica o impacto que ela teve em suas crônicas?*

  20. Quando Lestat “veio a você”, ele já estava totalmente definido ou você o foi “moldando” com o desenrolar da trama? (Porque ele é altamente envolvente, tem defeitos, claro, mas sobrepõe-se uma humanidade – diferente da de Louis – , uma ideologia… um “algo mais profundo”…)

  21. Você já escreveu sobre várias criaturas fantásticas como vampiros, bruxas, lobisomens, fantasmas. O universo que criou é vasto e cheio de mistérios. Existem outros seres fantásticos que você pretende explorar? Conta um pouco pra gente.

  22. Anne, no livro Merrick, Louis vai em busca da poderosa bruxa da Talamasca para que ela tente um contato com o espírito de Claudia. Você alguma vez se arrependeu de ter matado a criança -vampiro? Já pensou em “ressucita-la” de alguma forma em seus novos romances?

  23. Anne, sou uma grande fã de histórias de vampiros, principalmente as suas e de certa forma sinto falta dessas histórias clássicas, sem essa “pegada” apelativa demais para os seres da noite.
    Nas suas histórias e, inclusive em Drácula, temos os mistérios à cerca do mito e o lado sensual que esbanje das personagens, mas é algo tão natural que muitas vezes sentimos isso até mesmo na forma como falam. Já nas histórias mais recentes, há muita apelação física – onde se faz necessário uma cena explicita para dar vazão à esses dois lados, tornando o vampiro num ser completamente fútil e num personagem “pesado” demais, sem naturalidade.
    Então minha pergunta é: Quando você acha que os vampiros deixaram de ter essa aura que os envolve (de mistérios e sensualidade), para se tornarem seres com pesada apelação?

  24. Anne, a escrita de um livro é algo complexo e maravilhoso, pois sentimos a história se formando. Quais conselhos você daria para aqueles que pretendem contar uma história?

  25. Anne, mesmo com tantas criaturas e histórias mágicas em sua bibliografia, você decidiu voltar às “Crônicas Vampirescas” com seu novo livro, “PRINCE LESTAT”. Podemos esperar uma nova série das “Crônicas Vampirescas”, ou você acha que já o suficiente?

  26. No lançamento do filme Entrevista com o Vampiro, houve comentários de que você ficou preocupada com o ator que faria o Lestat e após conferir a atuação do Tom Cruise, ficou mais tranquila. Hoje, com a possibilidade de um remake do filme, existe essa preocupação com o novo ator que possivelmente substituirá o Tom Cruise no papel do seu personagem predileto? Você indicaria alguém?

  27. Com a volta das Crônicas Vampirescas e do Vampiro Lestat o mundo dos vampiros volta ao mercado editorial com um brilho especial. Você já fez referências ao Brasil em seus livros sobre vampiros. Acredita que possa, no futuro, haver um livro seu especialmente narrado por um vampiro brasileiro? Há a possibilidade de um vampiro brasileiro fazer parte do seu círculo de vampiros e ser um novo amigo do Lestat? Seria maravilhoso para nós seus fãs do Brasil. Um grande beijo.

  28. Minha querida diva, sei que minha pergunta soara muito intima, mas você parou de escrever esse tipo de narrariva após a morte do seu marido. O que a levou a voltar a escrever a continuação dessa incrivel narrativa?

  29. Querida Anne Rice, gostaria primeiramente te parabenizar por todas estas suas conquistas. Te conheço desde pequena e você realmente merece o título de “Rainha dos Vampiros”.
    Sou uma pessoa extremamente apaixonada por emoções em pequenos detalhes, por isto minha pergunta é um pouco mais íntima. O que sentiu quando encostou em seu primeiro livro publicado? Quando percebeu que seus livros estavam entre os mais vendidos? E quando assistiu sua história nas telas do cinema? Como foi para você presenciar este crescimento, esta “tomada de realidade” que sua história conquistou e percebeu que tem fãs apaixonados e leais a você?
    Peço desculpas por estar fazendo perguntas tão íntimas e tantas perguntas de uma vez.

  30. Querida Anne, sou muito sua fã, e apaixonada por Lestat. Você tem algum ritual, ou vai a algum lugar especial , ou se baseia em algum fato ou historia para ter suas inspirações, ou elas simplesmente aparecem ?

  31. Anne, você mudou a forma de como os vampiros eram vistos, deixando-os humanizados, tornando-os apaixonantes e cheios de sentimentos expansivos. você tem uma legião de fãs apaixonados pelo vampiro Lestat, sua criação. como foi criar um personagem tão apaixonadamente controverso que mudou toda uma geração de fãs de vampiros? de onde veio essa inspiração?

  32. Hello, Anne. Your books are always surrounded by a gothic atmosphere and an wonderful level of lyrism. What are some of the sources in which you trust or which inspire you to develop your writing? What kind of research do you often do to build your characters, scenaries and your own writing?

  33. Gosto muito do vampiro lestat, porque vc ñ escreve outra história vampiresca c/ ele, o ultimo q li , agora ñ lenbro o nome, só lembro q ele sempre estava sonhando q era um vampiro bom, gostei muito deste livro.

  34. Anne, como definiria seu processo criativo? Como você compõe novas tramas e personagens? Como passa para o “papel” suas ideias, crenças e chega à uma história convincente e com uma narrativa que prende o leitor?

  35. Anne, foi divulgado recentemente a venda dos direitos para adaptação das Crônicas Vampirescas para o cinema, você fará parte da equipe como fez com “Entrevista com o Vampiro” (um grande sucesso entre os fãs e as críticas)? Qual é a sua expectativa para os filmes?

  36. Pingback: [ENTREVISTA] Rocco abre concurso para leitores enviarem perguntas à Anne Rice | Livros e Citações

  37. Anne, acompanho a sua página no facebook e vejo que você é bastante próxima dos fãs, muitas vezes fazendo perguntas a eles em suas postagens e conversando conosco na área de comentários. Qual é a melhor parte de ter um canal tão direto com o seu público?

      • Acabamos de sair daquela grande avalanche de histórias de vampiros repetitivas, tão diferentes da sua obra. Qual você acha que será a recepção do público, não só o seu cativo, mas também o público jovem “mainstream” ao “Prince Lestat”, o retorno desse grande clássico às livrarias? Stephen King nos deu recentemente uma sequência para o clássico “O Iluminado”, e agora você nos traz de volta o nosso querido Lestat: Acha que existe uma tendência como essa começando?

        • Anne, agora que As Crônicas despertaram novamente o interesse de Hollywood, o que você espera das futuras películas de sua obra? Se essa nova fase das adaptações começasse com um reboot, desconsiderando os filmes anteriores, como você se sentiria a respeito?

          • Anne, até hoje sua representação única dos vampiros é um ícone, que desde o início, mesclou drama e uma representação humanizada ao mistério e à fantasia. Hoje, após uma grande febre de literatura fantástica em que os vampiros figuraram como protagonistas, o que você acha que vai chamar a atenção do novo público para a sua obra?

  38. Depois de tantas anos sem escrever sobre vampiros, mais especificamente sobre o personagem Lestat, o que te motivou a escrever novamente sobre esse personagem?

  39. Você escreveu sobre uma criança vampira que queria crescer, sobre um demônio que queria viver,sentir e amar e um vampiro que chegou a trocar de corpo para sentir novamente o que é ser humano . Pode-se dizer afinal, que seus personagens mitológicos tem tantos anseios e angustias quanto um ser humano? Que eles são inspirados nos nossos próprios paradigmas existências?

  40. Você escreveu sobre uma criança vampira que queria crescer, sobre um demônio que queria viver,sentir e amar e um vampiro que chegou a trocar de corpo para sentir novamente o que é ser humano . Pode-se dizer afinal, que seus personagens mitológicos tem tantos anseios e angústias quanto um ser humano? Que eles são inspirados nos nossos próprios paradigmas existenciais?

  41. Anne, um dos seus livros que mais me impressionou foi o Ladrão de Corpos. Passei muito tempo refletindo sobre alguns pontos que você trata no livro, toda a ideia de alma, Deus, e dúvidas. Realmente foi um livro bastante marcante para mim, até por que o li muito jovem, quando não entendia exatamente do que ele tratava, mas sem dúvida ele me mostrou novas perspectivas. O que você sente quando lhe dizem que mais do que se apaixonar pelos personagens seus leitores conseguem tirar algo mais especial dos seus livros? Algo, como foi para mim, diferente e que influencia diretamente no crescimento pessoal deles?

  42. A Talamasca é um elemento presente em boa parte de suas obras. Mas os membros da Talamasca estão sempre mais a observar do que interferir no meio. Já pensou em escrever uma obra em que o protagonista é um membro da Talamasca?

  43. Diferentemente da maioria dos leitores que começaram muito jovens, a série de livros que me marcou e que cresci com ela foi As Crônicas Vampirescas, e não Harry Potter. A primeira vez que tive Entrevista com o Vampiro em mãos, eu tinha 11 anos. Naquela época não entendi muito bem sobre a história, mas hoje tenho uma visão mais ampla sobre ela.
    Sabendo da possibilidade de existirem crianças que se interessam por seus livros, existe alguma reserva na hora de escrever? Você tenta deixar mais implícito e utiliza mais metáforas para falar sobre temas que não são muito próprios para jovens? Ou você escreve simplesmente o que quer sem se importar com quem vai ler, e sim a história que seu livro irá passar?

  44. Anne, atualmente os livros e filmes baseados em histórias de vampiros são fortemente influenciados pelo estrondoso sucesso da saga Crepúsculo, que para o bem ou para o mal, redefiniu o padrão dessas histórias para o público mais jovem. A pergunta que faço é: você, que tão brilhantemente contou e serviu de referência com as Crônicas Vampirescas para histórias de vampiros por décadas, acha que uma nova história vampiresca teria que ser contada de uma maneira diferente para um novo público ou seguir o mesmo padrão estabelecido em Entrevista com o Vampiro 38 anos atrás teria o mesmo sucesso hoje em dia?

  45. “Anne, você já confirmou para a imprensa que Louis e Lestat eram um casal gay. Fale um pouco sobre como foi abordar a homoafetividade em seus livros tendo em vista que possui um filho homossexual e um grande carinho do público LGBT por suas obras”

  46. Pingback: Entreviste a autora Anne Rice e ganhe prêmios! | Entrando Numa Fria

  47. Olá Anne Rice ^-^
    Como foi que surgiu esta vontade de escrever livros de romance gótico sobrenatural? Como você descreveria seu processo de criação de uma historia? E como você se sente sendo a Rainha do romance gótico sobrenatural, com mais de 100 milhões de livros vendidos pelo mundo?

    Abraços!

  48. Anne, seus vampiros são diferentes daqueles dos padrões que existiam na época em que você começou a escrever sobre eles. Lestat e os outros são seres que possuem extrema beleza e senso de humanidade além da monstruosidade comum a um vampiro. O que levou você a criar algo completamente diferente de monstros consagrados como “Dracula” e “Nosferatu”?

  49. Olá Anne, sobre os filmes que virão, podemos esperar uma frequência, sempre com os mesmos atores nos diferentes títulos?
    E há ainda a possibilidade de citar o Brasil, como faz em alguns momentos em seus livros?

  50. Bom ,vamos começar do começo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, A minha pergunta para voce é a seguinte: Porque louis ao mesmo tempo em que tem nojo do lestat, demonstra sentimentos amorosos por ele, e porque PORQUEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ELE NAO DEU ” UNS PEGAS NO GOSTOSO DO ARMAND “? que … cara … sem palavras pra ele. Só olhó e observo kkkkkkkkkkkkkkk

  51. Quando pensamos em tramas sobrenaturais, é impossível seu nome não ser citado no mundo inteiro. Cada livro seu tem um detalhe único que sempre diferencia uma obra da outra, permitindo explorar o tema sem cair na mesmice. Você poderia contar um pouquinho sobre o seu processo criativo e o que ainda podemos esperar nas próximas obras?
    Obrigada

  52. Pingback: Minha Vida Literária » Notícias da Semana

  53. Anne, nós vimos nos livros das bruxas Mayfair e nas crônicas vampirescas, A Talamasca interferindo diretamente em certos acontecimentos seja por meio de pessoas que interferiram na história das bruxas Mayfair e em todos os acontecimentos do livro ou quando eles ficaram “furiosos” com Lestat, David e Louis em Merrick. Com isso, percebemos o quão poderosa e perigosa A Talamasca é e tudo o que ela pode fazer. E se, em uma situação hipotética, os Mayfair e os vampiros se unissem contra A Talamasca. Quem iria sair vitorioso dessa batalha e quais seriam as consequências?
    Queria aproveitar para dizer obrigado por ter escrito esses livros que realmente mudaram a minha vida, que expandiram meus horizontes e que todos os dias me deixam com mais vontade de conhecer a sua Nova Orleans. Obrigado por ter colocado Lestat, Rowan, Azriel, Ramsés, Tonio, Stefan, Toby, Reuben e Jesus na minha vida, tenho certeza que eu não seria a mesma pessoa sem tê-los conhecido.

  54. Anne, no livro O Servo dos Ossos conhecemos um ser tão forte e grandioso quanto Lestat, o que aconteceria se Lestat tivesse a posse do baú do Azriel? O que ele faria com Lestat ou o que Azriel faria com Lestat? Queria aproveitar para dizer obrigado por ter escrito esses livros que realmente mudaram a minha vida, que expandiram meus horizontes e que todos os dias me deixam com mais vontade de conhecer a sua Nova Orleans. Obrigado por ter colocado Lestat, Rowan, Azriel, Ramsés, Tonio, Stefan, Toby, Reuben e Jesus na minha vida, tenho certeza que eu não seria a mesma pessoa sem tê-los conhecido.

  55. Anne, em Cântico de Sangue Lestat revela aos leitores o desejo de se tornar santo. No livro, chega a citar que gostaria que fosse feita uma imagem sua em tamanho natural para que os devotos lhe façam preces e agradeçam pelas graças que receberem dele. Para você, esse é um desejo sincero de redenção por parte do vampiro ou apenas mais uma forma de enaltecer a própria vaidade e exibir sua explêndida beleza?

  56. Anne, apesar de vampiros, as suas criaturas, instruídas pelos Filhos dos Milênios, são instruídas a não matar vítimas inocentes, sugando até a morte apenas os Malfeitores. O que leva você a criar monstros que possuem essa intensa força humana, que necessita de sangue, mas que consegue resistir a tentação de possuir as almas puras dos seres humanos de bem?

  57. Anne, você já disse que sua criação preferida é o Lestat. Agora que ele está voltando para os fãs, o que devemos esperar dele: um vampiro mais experiente e antigo, que busca a paz da reclusão ao lado dos Ancestrais, ou um Lestat pronto a conquistar novamente o mundo à procura de novas experiências para conquitar os leitores?

  58. Anne, os vampiros geralmente não podem ver ou invocar espíritos. No quarto livro, A História do Ladrão de Corpos, Lestat trocou de corpo com um humano porque queria sentir de novo como era viver plenamente, gozando de todos os prazeres da vida. Se tivesse uma oportunidade, será que ele não gostaria de fazer essa troca com o bruxo Michael da família Mayfair, para que o vampiro experimentasse a sensação de se tornar esposo de Rowan e de estabelecer contato com os espíritos que atormentam a família?

  59. Pingback: Carpe Libri | [Notícias] Pergunte à Anne Rice!

  60. Louis, Lestat e Claudia tornaram-se uma família que permaneceu junta por mais de meio século. Após o primeiro livro, no entanto, Louis e Lestat tomam rumos completamente diferentes em suas vidas sobrenaturais, tendo apenas alguns contatos rápidos nas histórias seguintes. Será que com o retorno de Lestat aos fãs não há a chance de Louis e ele dividirem novamente o mesmo caminho, rumo a eternidade?

  61. Apesar de ser um vampiro, Armand sentiu-se tão tocado ao ver o Véu de Verônica trazido do céu por Lestat que resolveu se entregar ao sol como forma de tentar se redimir de suas culpas. Para você, após esse imenso sacrifício, Deus perdoaria Armand de todos os seus crimes de bebedor de sangue?

  62. No primeiro livro das Crônicas Vampirescas, Louis recusava-se a beber sangue humano, alegando possuir respeito pela vida. No entanto, muito tempo depois, deu a Merrick Mayfair o Dom das Trevas. O peso da imortalidade é capaz de afetar e alterar a personalidade de qualquer vampiro? A mudança de Louis foi positiva ou negativa?

  63. Adoro todos os seus vampiros, mas o meu favorito é o Marius. Gosto muito quando ele disse em Sangue e Ouro que “sente um amor delicado pelos mortais”. Além de sensível, Marius é extremamente belo. Se você pudesse escolher pessoalmente um ator para interpreta-lo, quem seria e por quê?

  64. Anne, você é autora de personagens emblemáticos como Louis, Lestat e as bruxas Mayfair. De onde tira inspiração para compor a personalidade e background desses personagens? Pessoas comuns te inspiram ou é tudo fruto da imaginação mesmo?

  65. Anne, já li que seu cantor favorito é o roqueiro Jon Bon Jovi. Lestat aparece em uma das Crônicas na pele de um astro de rock. Você se inspirou em seu cantor predileto para compor o vampiro? O que há da personalidade e da aparência do astro na figura de seu personagem?

  66. No acordo com a Universal Pictures e a Imagine Entertainment, estão garantidos também os direitos de adaptação de novos livros das Crônicas Vampirescas para o cinema. Com isso, você pensa em escrever os novos volumes já tendo em mente a adaptação para o cinema ou não se preocupa com isso nesse momento?

  67. Anne, durante o período em que escreveu seus livros, você deixou o catolicismo e voltou novamente para a crença religiosa. Essas mudanças interferiram de alguma forma na composição e personalidade de seus personagens? Isso alterou a forma de desenvolver o senso humanitário deles?

  68. Em seus livros, seja os das Crônicas Vampirescas quanto os não fazem parte dessa série, você aborda as culturas de diversas religiões sem que se tornem uma caricatura preconceituosa. Até mesmo quando você escreveu os dois livros de Cristo Senhor, você fez uma pesquisa muito extensa sobre o evangelho e as descobertas históricas ligadas a vida de Jesus. Qual é a importância dessa pesquisa em seu trabalho e como ela é feita? O fato de você ter sido ateia por muito tempo a ajudou a mostrar essas religiões sem ser influenciada por suas crenças?

  69. Em sua última viagem ao Brasil em 2011 muitos fãs tiveram a oportunidade de vê-la. A grande maioria ficou muitas horas na fila para conseguir uma senha. Qual foi sua impressão do público brasileiro. Achou os mais entusiasmados do que outros países que visita?

  70. A literatura muitas vezes é direcionada por “modismos”, no entanto, os vampiros assim como na ficção parecem imortais, e mantem-se sempre como uma criatura de interesse dos leitores. Seria por causa da própria imortalidade e do desejo secreto (ou não tão secreto) de nós, meros humanos, também desejarmos a imortalidade?

  71. Anne, muito leitores foram apresentados ao mundo dos vampiros na literatura por meio das “Crônicas Vampirescas” e, por conta disso, têm presentes em suas definições de vampiros as características dos personagens criados por você. Como você encara a “responsabilidade” por essa definição e a polêmica que isso pode gerar com outros escritores que definem os vampiros de forma bem diferente da sua? Quais foram suas inspirações para definir as características dos vampiros que aparecem em seus livros?

  72. “Entrevista com o vampiro” é meu filme favorito, porque gosto muito da história e das atuações do Tom Cruise e do Brad Pitt. O que você pensa sobre essa adaptação? Ela alcançou suas expectativas? Agora, com a expectativa de produção de mais filmes baseados na sua série de livros, você acredita que outros atores conseguirão interpretar seus personagens tão bem quanto os anteriores? Quais atores você imagina que interpretariam um bom Lestat e um bom Louis? Você participará ativamente da definição do elenco?

  73. Você é formada em Artes e Criação Literária. Se você pudesse medir, quanto da sua formação acadêmica foi responsável pela criação de suas obras, e quanto sua imaginação colaborou para todo esse sucesso que você alcançou ao longo das décadas?

  74. Anne, a beleza física é uma das principais características dos seus seres. Você descreve minuciosamente suas personagens, a fim de enriquecer as obras e aguçar a imaginação do leitor. O vampiro Armand, por exemplo, foi imortalizado na pele de um jovem ruivo de cabelos compridos e uma beleza andrógina. No filme “Entrevista com o Vampiro”, vimos que não ocorreu uma caracterização fiel do personagem. O que você achou disso? Foi algo que te desagradou?

  75. Se Lestat aceitasse o pedido de Rowan Mayfair e a tranformasse em vampira, provavelmente os dois passariam muitas décadas vagando juntos pelo mundo descobrindo um ao outro e se questionando sobre a complexidade da imortalidade. Os fãs podem esperar por algo assim em seus próximos livros?

  76. Meu livro favorito absoluto é Memnoch, a sensação do poder divino que você empregou nesse livro foi delirante. Mudaram todos meus conceitos sobre oque é ser um bom autor. Você superou todas as expectativas.
    Oque fez você voltar com tanta emoção para Lestat? Voltar para as crônicas vampirescas? Sei que aconteceu muitas coisas na sua vida que fez você deixar esse lado e procurar algo inovador, porem agora você esta de volta, com força total. Da onde veio esse desejo? Quando você decidiu voltar para Lestat?

  77. Anne, ainda não tive a oportunidade de visitar Nova Orleans, mas através das suas obras sinto como se já fosse moradora do Garden District, devido as belíssimas descrições que você faz do bairro e da casa da família Mayfair. Há alguma técnica específica que permite a você elaborar descrições tão profundas e marcantes, que deixam os leitores doidos de vontade de passear pelas ruas de sua cidade?

  78. Seu filho Christopher criou um roteiro para uma provável adaptação de A história do Ladrão de Corpos para o cinema, cujos direitos também foram adquiridos no acordo com a Universal Pictures e a Imagine Entertainment. Como é a sensação de ter seu filho envolvido em uma adaptação de cinema? Dá uma maior segurança em relação ao seu sucesso do que se fosse roteirizada por profissional de Hollywood?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *