Dia Internacional do Livro Infantil

10 livros para ler com as crianças
2 de abril de 2021


Hoje é o Dia Internacional do Livro Infantil! A data é comemorada em homenagem ao aniversário do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, um dos principais nomes da literatura mundial e o criador de obras como A pequena sereia.

Hoje é um dia especial para incentivar ainda mais o amor pela leitura nas crianças. Por isso, separamos alguns livros do nosso catálogo para o público infantil. Que tal ler para uma criança?



FÁBULAS – NATALIE PORTMAN
Três fábulas clássicas recontadas com sabedoria e perspicácia pela aclamada atriz e ativista Natalie Portman. Percebendo que não existe apenas uma forma de viver, respeitar o nosso planeta e descobrir o que torna uma pessoa um verdadeiro vencedor, Natalie Portman traz para Fábulas um toque moderno em lições de vida atemporais. Contadas de maneira divertida e em uma linguagem acessível para crianças, junto com as ilustrações encantadoras de Janna Mattia, as fábulas “A lebre e a tartaruga”, “Os três porquinhos” e “O rato do campo e o rato da cidade” são recontadas de forma perspicaz, ideais para serem lidas em voz alta e terem um lugar especial na estante de casa.








Capa de Sulwe


SULWE – LUPITA NYONG’O

Sulwe tem a pele da cor da meia-noite.Ela é mais escura que todos de sua família. Ela é mais escura que todos de sua escola.A Sulwe só queria ser bonita e cheia de luz como sua mãe e sua irmã. Quando ela menos esperava, uma jornada mágica no céu da noite abriu seus olhos e fez com que tudo mudasse.









Capa de A cor de CoralineA COR DE CORALINE – ALEXANDRE RAMPAZO
Selo Seleção Cátedra 10 Unesco de leitura – 2017 Finalista do Prêmio Jabuti 2018 na categoria Infantil e Juvenil Coleção Orgulho de ser eu (desde pequenx) Coraline ouviu de Pedrinho a pergunta que achou difícil: me empresta o lápis cor de pele? Aí começou a aventura da menina que fica indagando qual seria a cor da pele. Ela olhou todas as cores de sua caixa de lápis. Pequena, tinha apenas doze. Coraline repassou todas as cores e descobriu maravilhada que cada cor de pele é bonita, cada cor tem uma razão, cada cor significa uma pessoa, um jeito de ser. De cor em cor, ela percebeu que não importa o tom de pele, todos são iguais. E então também soube que linda é a cor de sua pele. Assim, Alexandre Rampazo mostrou a diversidade e a unidade deste mundo. As cores não servem para diferenciar, mas para tornar tudo mais belo. Imagine a monotonia de um mundo cheio de gente de uma cor só? A beleza é a multiplicidade. 







TIMMY FIASCO –  STEPHAN PASTIS
Timmy Fiasco é o comicamente autoconfiante e sem noção diretor executivo de um império de investigação em expansão. Com seu preguiçoso sócio, um gordo urso-polar chamado Total, ele pode tornar qualquer mistério ainda mais misterioso. No entanto, seus planos não incluem uma pessoa do sexo feminino cujo nome não deve ser pronunciado. Assim como também não incluem Rollo Tookus, tão obcecado por entrar para a universidade “Stanfurd” que não consegue levar a cabo uma missão de espionagem. Nem Molly Moskins, a menina que cheira a tangerina e é louca por Timmy, o que faz dela sua óbvia (e única) suspeita. Com uma imaginação fértil e uma lógica peculiar, o pequeno Timmy vai conquistar os leitores com suas hilárias desventuras ao tentar resolver alguns casos de seus colegas de escola e seguir sua caminhada rumo ao sucesso.




Capa de As aventuras do tempo

AVENTURAS DO TEMPO – MÍRIAM LEITÃO
Mel é uma menina fascinada por histórias.
Um dia, falou para a sua vovó Beth: “Me conta uma história de quando você era criança!” Vovó Beth então decide levar Melzinha para uma aventura através do tempo, contando histórias de quando ela era pequena. Tudo fica ainda mais emocionante quando as duas vão mais longe e Melzinha fica sabendo de uma aventura da avó da vovó Beth, vivida na beira do rio Doce com um amiguinho índio que luta para defender a mata. Nesse livro cheio de lembranças e afeto, Míriam Leitão trabalha a noção do tempo e transmite uma mensagem emocionante de respeito, amizade e memória.






 

Capa de Doze lendas brasileiras (capa dura)DOZE LENDAS BRASILEIRAS – CLARICE LISPECTOR
Uma lenda é verossímil? Sim, porque assim o povo quer que seja. De pai para filho, de mãe para crianças, é transmitida uma fabulação de maravilhas que estão atrás da História. E assim, oralmente, se escreve uma literatura plena e suculenta, em que o espírito secreto de todo um povo vira criança e brinca de “faz de conta. Brinca? Não, é muito sério. Pois o que é que pode mais do que um sonho?”. Com essas e outras palavras, belas e certeiras, Clarice Lispector reflete sobre a riqueza e a importância das histórias da cultura popular no texto “A força do sonho”, que abre a nova edição de Doze lendas brasileiras. Escrito em dezembro de 1976, o texto foi incluído no calendário em que os contos foram publicados originalmente, em 1977, e permanecia inédito em livro. O livro reúne histórias do folclore nacional, uma para cada mês do ano, recontadas por uma das maiores escritoras do século XX..




Capa de Um ano na selvaUM ANO NA SELVA – SUZANNE COLLINS
Uma garotinha brincalhona, cercada de irmãos, pais amigos e atenciosos. Eis a pequena Suzy e sua família feliz. Contudo, quando seu pai é chamado para guerra numa selva distante, ela tem que lidar não só com a saudade, como também com a ansiedade, o medo, a insegurança e o iminente sentimento de perda. É assim, com delicadeza e o olhar lúdico de uma criança, que Suzanne Collins, autora da trilogia Jogos Vorazes, fenômeno da literatura jovem, narra (e recria) em Um ano na selva a experiência vivida por ela quando, aos seis anos, viu seu pai deixá-la para lutar na Guerra do Vietnã.




Capa de Como treinar o seu trem

COMO TREINAR SEU TREM – JASON CARTER EATON

E se, em vez de um cachorrinho, um gatinho ou mesmo um filhote de coelho, uma criança deseja ter um trem de estimação? Partindo do fascínio dos pequenos por essas máquinas incríveis, o escritor e roteirista Jason Carter Eaton escreveu Como treinar o seu trem. Com adoráveis ilustrações de John Rocco, o livro ganhou elogios da imprensa e alcançou o disputado ranking infantil do The New York Times. A bordo dos vagões, ou melhor, das páginas, os pequenos leitores vão aprender como fazer para encontrar, escolher e capturar o perfeito trem de estimação! E, depois, claro, como treiná-lo, para ele não pular nas pessoas e não sujar o tapete de óleo, por exemplo…








Capa de O dia em que Caco Botão ficou sem energiaO DIA EM QUE CACO BOTÃO FICOU SEM ENERGIA – SUZANNE COLLINS
Caco Botão é tão vidrado em jogos de computador que nunca brinca de outra coisa. Porém, quando um relâmpago atinge a rede elétrica e causa um apagão, seu reino tecnológico vem abaixo e o pobre do Caco fica sem energia. Ele sai desesperado atrás de pilhas, mas as únicas que encontra estão na boneca falante da irmãzinha. Será que ele vai apelar e levar a irmã a um chilique? Ou vai cair na real e perceber que é legal brincar com a irmãzinha, mesmo que ela não seja movida a pilha? Suzane Collins se inspirou no próprio filho para escrever a história de um menino vidrado em tecnologia que finalmente percebe que a irmãzinha de três anos também é interativa – e nem precisa de bateria!




Capa de O estranho caso do sono perdidoO ESTRANHO CASO DO SONO PERDIDO – MIRIAM LEITÃO
Em O estranho caso do sono perdido, Mirim narra a aventura de uma menina e sua avó pelo mundo dos sonos com um texto bem-humorado e cheio de imaginação, ilustrado por Fran Junqueira. Esqueça tudo o que você já ouviu falar sobre histórias para dormir e principalmente as vovozinhas dos tradicionais contos infantis. No livro de Míriam Leitão, é a neta quem vai contar uma história para a avó dormir, e ela não é nem um pouco parecida com as avós de antigamente, mas uma mulher moderna, com uma agenda lotada de reuniões e viagens. Numa dessas viagens, entre um compromisso e outro, a avó vai dormir na casa da neta, que mora em outra cidade, e depois de lerem algumas histórias, ela não acha seu remédio para dormir. Disposta a ajudar a avó a encontrar seu sono, a menina convida a avó para embarcar numa viagem pelo mundo dos sonos, que deve ficar em algum lugar dentro da imaginação.

TAGS: crianças, Fábulas, livro infantil, Lupita Nyong’o, Natalie Portman, Sulwe,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *