Como desaparecer completamente

por Maira Parula
10 de julho de 2014


O terceiro livro do premiado escritor goiano André de Leones acaba de ganhar nova edição pela Rocco Digital. Sob diversos pontos de vista, Como desparecer completamente explora o término e início de relacionamentos amorosos em uma cinzenta e fantasmagórica São Paulo.

A poeta e tradutora Maira Parula apresenta o romance que está disponível em Amazon, Iba, Kobo, Google Play, Apple, Saraiva e Travessa.

“Como desaparecer completamente?, eu me pergunto e lembro de imediato da frase de Gary Trudeau, “Tento cultivar um estilo de vida que não exija a minha presença”, uma condição cada vez mais irrefreável em nossos tempos esquizoeletrônicos. Uma tela escura, a morte? Não, não bastam. Em vez disso sons de carros, buzinas estridentes, ruas intransitáveis, pessoas conversando. A busca pela palavra. A palavra errada. Pela metade. A sobrecarga de informação e a paradoxal incomunicabilidade humana. Labiríntica. O peso da convivência. A solidão de São Paulo e suas tribos rompendo fronteiras até Goiânia, ou vice-versa. O ponto de partida: um homem e uma mulher se separam quando o tudo e o nada a dizer já não fazem diferença. O sexo desesperado e onipresente é de uma carnalidade ausente.

Como desaparecer completamente é o terceiro livro de André de Leones, ou “filme de papel”, como ele gosta de dizer, um romance que sempre nos surpreende com a marca registrada de seu jovem autor: a implosão da narrativa formal, os cortes inesperados, os diálogos rápidos, ofegantes, a linguagem interrompida. Como uma câmera nervosa, seu olhar passeia ansioso e implacável pela vida sem cores, encurralando a cidade e seus personagens de arrasto, sem psicologismos maiores ou pseudoadensamentos. Não é disso que se trata. Há uma pressa ali, uma pressa angustiada, poética quadro a quadro, onde reside toda a força do texto. Como desaparecer completamente também não é um livro de entretenimento, deixa isso claro. É uma tsunami. Quando você pensa que ele recua, para podermos respirar e molhar os pezinhos, uma nova onda traz de volta o mar inteiro e nos engolfa. É correr ou mergulhar.”
 


 
Maira Parula é poeta e tradutora, autora de Não feche seus olhos esta noite.

 

TAGS:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *