A garota dinamarquesa

Por: Santiago Nazarian
29 de fevereiro de 2016


751_m

As questões de gênero estão cada vez mais em voga. Com avanços na medicina e na luta por direitos humanos, a transexualidade vai pouco a pouco deixando de ser tabu e passa a ser discutida de maneira mais consciente e profunda num mundo globalizado. No Brasil, ao mesmo tempo, que essa discussão é levantada por grupos defensores de minorias, encontra grande resistência de evangélicos e conservadores: “homem é homem, mulher é mulher”.

Por isso, torna-se especialmente interessante revermos (ou conhecermos) a história de Lili Elbe, talvez a primeira transexual da história a fazer a cirurgia de redesignação sexual (ou “mudança de sexo”, como dizem os leigos). Vivendo até a meia-idade como Einar, um pintor dinamarquês na Europa dos anos 1920 e 1930, ela teve de buscar sua identidade sem referências de casos semelhantes. Teve a sorte de contar não apenas com um médico pioneiro, mas com uma mulher brilhante, generosa e apaixonada, sua própria esposa, Greta, que foi fundamental para sua auto-aceitação.

A-garota-dinamarquesa_2

O romance de David Ebershoff, A garota dinamarquesa, reconstrói essa história de maneira ficcional, baseando-se nos diários e na correspondência de Lili e na imprensa da época. É um documento vivo sobre a história da questão transgênero, que vai muito além de sua personagem. Longe de ser panfletário, Ebershoff pinta uma protagonista por vezes egoísta, machista, que abusa da devoção de sua esposa com uma melancólica crueldade. Para mim, a grande heroína do romance é Greta, e os amigos próximos que se esforçam para aceitar com naturalidade uma situação que nem a própria Lili/Einar compreende.

Delicado, repleto de nuances e de questionamentos, A garota dinamarquesa é uma leitura urgente. Prestes a estrear como adaptação cinematográfica (já acenando um possível novo Oscar para Eddie Redmayne, que ganhou pela interpretação de Stephen Hawking em A teoria de tudo) sua reedição em livro pela Rocco chega em ótima hora.

Santiago Nazarian é escritor e tradutor.

TAGS: A garota dinamarquesa, adaptação, David Ebershoff, Filme, Romance, Santiago Nazarian, transsexual,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *