Capa do livro Romantize seus negócios

Romantize seus negócios

Dê o máximo e crie algo maior do que você é

Coleção Pitch Deck

Autor: timothy leberecht

Tradução: Nivaldo Montingelli Jr.

Preço: R$ 34,50

272 pp. | 16x32 cm

ISBN: 978-85-325-3021-9

Assuntos: ADMINISTRAÇÃO & NEGÓCIOS/ECONOMIA, LIDERANÇA/DESENVOLVIMENTO PESSOAL

Selo: Rocco

COMPRE O LIVRO

Disponível em e-book

Preço: R$ 22,50

E-ISBN: 978-85-812-2639-2

Um livro de negócios maravilhosamente incomum, que nos encoraja a buscar beleza

e significado em nossa vida profissional. – Klaus Schwab,

fundador do World Economic Forum


No século XIX, o movimento literário Romantismo enfatizava a emoção, a espontaneidade e a naturalidade como principais características da expressão artística. Levar esses conceitos para o universo do trabalho pode oferecer sentido a quem busca mais do que uma recompensa financeira com sua atividade profissional, diz o especialista em marketing Tim Leberecht, autor de Romantize seus negócios – Dê o máximo e crie algo maior do que você é. O lançamento inaugura a coleção Pitch Deck, dedicada a livros de negócios com uma abordagem ousada e contemporânea, pensada para o empreendedor entender melhor o mundo do design thinking e das startups.

Pesquisas de instituições renomadas, como o Gallup, indicam que apenas 13% dos trabalhadores estão entusiasmados com seus empregos, enquanto mais de 60% não encontram qualquer motivação na carreira e cerca de 24% se descrevem como infelizes e improdutivos. Mais emoção do que razão, aprender com o imprevisível, deixar de lado o controle e a centralização sobre o processo de trabalho são algumas das apostas de Leberecht em relação ao novo mundo de negócios. Diante da sensação de isolamento no ambiente corporativo, apesar das múltiplas conexões virtuais, e da ansiedade gerada pelas desigualdades sociais, os ideais românticos ajudam a enfrentar a cerrada competição do mundo empresarial, defende Leberecht.
 
Romper com as formas de sobrevivência convencionais é uma das primeiras regras para os românticos nos negócios, como um casal de artistas que financiou sua viagem da Califórnia até a América do Sul vendendo produtos de artesanato das regiões que atravessavam. Além de pagar pelos custos, eles enfatizam a importância da convivência com comunidades diversas.  A experiência de travar contato com pessoas de diferentes faixas etárias e escolaridade também é valorizada pelos românticos em negócios, diz Leberecht. Uma empresa norte-americana adotou um ambiente de trabalho único em que todos os empregados utilizam uma imensa mesa, mesmo que seus setores sejam de diferentes áreas da empresa.

Leberecht apresenta diversos exemplos de inovação no mundo dos negócios, que reveem métodos e modos de trabalho. Medidas de impacto, que incomodam os funcionários, têm se mostrado eficientes para aprimorar a produção. Nos anos 1980, a Atari enterrou milhares de cartuchos de um videogame que fracassou nas vendas. Em 1995, a Samsung convocou milhares de funcionários a assistir à queima de uma pilha com 150 mil telefones defeituosos. Quando a fogueira se apagou, as cinzas foram recolhidas por tratores. A “Grande Incineração de Telefones” foi o ponto de partida para a reformulação da Samsung visando a excelência da qualidade de seus produtos.

Para Tim Leberecht, é preciso identificar o que despertava a paixão em cada um antes de considerar o poder e o dinheiro como os maiores valores. Quem trabalha, alerta o autor, precisa de um tempo para refletir, isolando-se e aproveitando os momentos de tranquilidade para se fortalecer, distante das exigências cada vez maiores do mercado de trabalho, que  atualmente ignora até o tempo de descanso e férias dos empregados.  O excesso de monitoramento da vida contemporânea, pelas redes sociais, é fonte tanto de prazer quanto de angústia, lembra. Para quebrar com essa vida controlada, ele recomenda leituras diversas, entre elas a de clássicos românticos, como Os sofrimentos do jovem Werther, de Goethe, uma biografia de Steve Jobs, e discursos de formatura em universidades norte-americanas. Ele também busca inspiração na obra musical de Gustav Mahler, Leonard Cohen e Joni Mitchell, entre outros artistas.

Leberecht acredita que viagens a festivais literários, por exemplo, ou assistir a um jogo do Barcelona no estádio do time, na Espanha, possam trazer inspiração aos funcionários e ajudar a desconstruir a supremacia da razão e da utilidade, como fez o movimento do Romantismo há dois séculos. Deixar-se levar pelos imprevistos, perder o controle sobre os processos convencionais de trabalho, quebrar a rotina, abrindo espaço para novas atividades podem fomentar a criatividade, acredita Leberecht, e, em última instância, trazer satisfação e felicidade.

Coleção Pitch Deck: Plataforma para jovens negócios

Comente  
Instagram

O AUTOR

Tim Leberecht ajudou a fomentar projetos e novas formas de pensar negócios para as empresas em todo o mundo, incluindo parcerias com a Amazon, Bill & Melinda Gates Foundation, Apple, Boeing, Google, Samsung e Starbucks. É autor de artigos publicados em revistas como a Harvard Business Review, Forbes, Wired, entre outras. Sua palestra 3 ways to (usefully) lose control of your brand, a convite do TED, atingiu a marca de mais de 1 milhão de visualizações. Nascido e criado na Alemanha, Leberecht vive em São Francisco, com sua esposa e filha.

Página do autor +

MÍDIA

Veja mais notícias +