Capa do livro A garota dinamarquesa

A garota dinamarquesa

Autor: david ebershoff

Tradução: Paulo Reis

Preço: R$ 34,50

368 pp. | 14 x21 cm

ISBN: 978-85-68432-44-0

Assuntos: FICÇÃO – ROMANCE/NOVELA, IDENTIDADE DE GÊNERO

Selo: Fábrica231

COMPRE O LIVRO

Disponível em e-book

Preço: R$ 22,50

E-ISBN: 978-85-68432-50-1

Uma história de amor incomum e comovente – The New York Times

Doloroso e inesquecível… Um triunfo completo – The Boston Globe

Greta precisava finalizar o retrato da mezzo-soprano Anna Fonsmark, que acabara de cancelar a sessão por causa de um ensaio. Ela então pediu ao marido Einar Wegener um pequeno favor. “Preciso de um par de pernas... E pensei comigo mesma que as suas talvez servissem... Você se incomoda de vestir as meias dela? E os sapatos?”, perguntou. Assustado e excitado ao mesmo tempo, Einar, depois de rogar por segredo, relaxou e começou a puxar a meia por cima da panturrilha. Nesse dia, ano de 1925, nascia Lili Elbe, uma espécie de alter ego feminino do pintor. O que começou como mera brincadeira acabou se tornando uma rotina para o casal: Einar passa a se vestir cada vez mais como Lili, por quem Greta se vê estranhamente atraída. História de amor surpreendente entre uma mulher brilhante, generosa e à frente do seu tempo, e um homem que ousou seguir o seu desejo mais profundo, A garota dinamarquesa foi adaptado para o cinema, com Eddie Redmayne e Alicia Vikander no elenco.

Inspirado na história real do pintor dinamarquês Einar Wegener e sua esposa, David Ebershoff escreveu uma obra de ficção, como define em nota no final do livro. “Escrevi o romance a fim de explorar o espaço íntimo que definia esse casamento incomum. Estas páginas contêm alguns fatos importantes acerca da transformação de Einar, mas os detalhes da história são invenções da minha imaginação”, afirma Ebershoff. O resultado é um romance inquietante sobre uma inusitada e sincera história de amor e um retrato de um dos primeiros transexuais a passar por uma cirurgia de mudança de sexo no mundo. Publicado pela Rocco em 2002, antes da questão de gênero ocupar a pauta do dia, A garota dinamarquesa retorna às prateleiras com novo projeto gráfico, capa com o pôster do filme e posfácio assinado pelo autor.

A pintura de Greta floresce tendo Lili por musa. Seu trabalho chama a atenção de um conceituado marchand francês, e o casal se muda para Paris. Na permissiva atmosfera do entre guerras, Lili sente-se liberada, tornando-se progressivamente o par de Greta em suas aparições públicas. À medida que Einar desaparece da lembrança, eles percebem que uma escolha terá de ser feita. Greta conhece um cirurgião na Clínica Municipal Feminina de Dresden disposto a tentar uma operação para mudança de sexo. Einar vai à Alemanha para se tornar, de uma vez por todas, Lili Elbe.

A garota dinamarquesa retrata uma quase esquecida história de amor entre um homem que descobre sua verdadeira sexualidade e uma mulher disposta a se sacrificar por ele, tendo como pano de fundo o glamour e a decadência da Europa das décadas de 1920 e 1930. Trama ousada, inquietante, narrada com elegância e sutileza únicas.

Comente  
Instagram

O AUTOR

Romance de estreia de David Ebershoff, A garota dinamarquesa ganhou o Prêmio Literário Lambda de 2000 na categoria de ficção transgênero, e foi transformado em filme estrelado pelo vencedor do Oscar, Eddie Redmayne. Sempre aclamados pela crítica, seus livros já foram traduzidos para vinte idiomas. Ebershoff figurou duas vezes na lista anual das cem pessoas LGBT mais influentes, elaborada pela revista Out. Ele é professor no curso de escrita literária da Universidade de Columbia e trabalha há muitos anos como editor na Random House. Originário da Califórnia, David mora hoje em Nova York.

Página do autor +

MÍDIA

Precursora do transgênero
Correio Braziliense