Capa do livro Brutal

Brutal

Autor: luke delaney

Tradução: Maira Parula

Preço: R$ 39,50

416 pp. | 16x23 cm

ISBN: 978-85-68432-12-9

Assuntos: FICÇÃO – ROMANCE/NOVELA, POLICIAL

Selo: Fábrica231

COMPRE O LIVRO

Disponível em e-book

Preço: R$ 23,00

E-ISBN: 978-85-6843-217-4

O que levaria alguém a golpear outra pessoa na cabeça e, na sequência, esfaqueá-la 77 vezes?  O garoto de programa Daniel Graydon jamais imaginaria que encontraria tamanha perversão nos clientes com quem saía. Mas viu seu fim se aproximar ao ir contra sua regra de ouro: nunca levar os homens para casa. Seu parceiro sexual e algoz, porém, tinha algo de sedutor e era difícil recusar a proposta de uma noite regada a sexo, e muito bem paga. Daniel tornara-se apenas uma das vítimas de um personagem sombrio, cuja pulsão pela morte o levava a matar com regularidade e método. Cada morte representando um passo adiante no aperfeiçoamento da macabra arte de tirar vidas: cruel, dolorosa, limpa e sem pistas. Um desafio para a polícia de Londres e sua divisão de Crimes Graves do Grupo Sul, liderada pelo atormentado detetive-investigador Sean Corrigan.


Brutal é o primeiro thriller policial de Luke Delaney, que serviu por muitos anos na polícia londrina investigando crimes diversos, dos cometidos por assassinos em série aos resultados de conflitos entre gangues e máfias. No livro de Delaney, Sean Corrigan é o herói que encarna a missão de desvendar mortes e descobrir quem os cometeu, e fazê-los pagar. Corrigan, no entanto, não é um detetive comum.  Sua infância sofrida e traumática – era abusado sexualmente pelo pai – despertou nele uma conexão com o lado obscuro do ser humano. Ao investigar cada morte, o detetive consegue imaginar – e mesmo sentir – o que motiva o assassino a realizar suas mortes. É essa intuição poderosa que vai orientar Sean Corrigan e sua eficiente e leal equipe na busca pelo assassino de Daniel Graydon.


O assassino é um homem frio, que busca a cada morte aprimorar seus métodos de matar. Suas vítimas não têm perfil específico e ele pode agir tanto por impulso como ficar semanas estudando a rotina da sua “presa”. Pode ser homem, mulher, mais velho ou mais jovem. Não importa. O que há em comum, porém, é uma intensa crueldade revelada na brutalidade das mortes e no potencial que ela tem de infligir sofrimento à vítima. Calculista, ele evita ser visto e nunca deixa pistas na cena do crime, simulando sempre uma situação que possa confundir a polícia, como a de sugerir um crime passional, no caso de Graydon.


Brutal tem aquela reviravolta típica de romances policiais, mas vai além: como ex-policial, Delaney retrata com fidelidade os procedimentos investigativos e a rotina na instituição; como os policiais reagem durante a investigação de um crime, como se relacionam entre si e com os criminosos. É possível sentir que cada personagem tem densidade e certamente foi inspirado em muitos dos colegas e casos investigados pelo autor. Sean Corrigan, o herói de Delaney, impressiona pelos vários desafios que deve superar, seja ao administrar seu passado sombrio que vem à tona em cada assassinato que investiga, seja ao tentar conciliar sua intensa e caótica vida profissional e sua família – as filhas e sua mulher, que considera seu porto seguro. Mas para tristeza de Sean e satisfação do leitor, Delaney reserva para seu personagem muitas aventuras em mares bravios.

Leia um trecho +

Comente  
Instagram

O AUTOR

Luke Delaney juntou-se à Polícia Metropolitana de Londres no final dos anos 1980, e sua principal responsabilidade era cobrir a área de South East, em Londres, considerada perigosa pela quantidade de crimes de violência extrema. Posteriormente o autor entrou para a divisão de investigações criminais, CID, onde se especializou nas investigações de serial killers e assassinatos brutais. Brutal é o seu primeiro romance, que conquistou fãs de livros policiais e suspense pela riqueza de detalhes de seus casos. O autor, que mantém seu verdadeiro nome em segredo, escreveu uma série de livros com o detetive Sean Corrigan, que serão publicados pelo selo Fábrica 231.

Página do autor +